quinta-feira, 6 de agosto de 2020

O espaguete com frutos do mar do Dia dos Pais!

Que os momentos no entorno da mesa se perpetuem entre pai e filho!

Pois neste domingo dia 9 - o segundo domingo de agosto - mais um Dia dos Pais se realizará, data especial e querida por todos aqueles que possuem a alegria e a responsabilidade de serem pais. Eu compartilho deste sentimento pois afinal tenho um pai saudável, o “seu” Orlando e tenho dois filhos lindos, a Antonia e o Theo! Fui criado por um pai que cozinhava, receitas caseiras aprendidas com sua ascendência de origem alemã, e hoje eu cozinho para meus filhos e eles auxiliam muitas vezes nestas lidas culinárias seja lavando ou cortando legumes, seja organizando a mesa ou mesmo lavando a louça remanescente das alquimias na cozinha. E inspirado nisto tudo que segue a receita desta semana, o espaguete com frutos do mar, dedicado a vocês, pais presentes!          

Ingredientes:

(para 4 pessoas)

 500g de espaguete tipo grano duro

500g de camarões médios e crus

500g de mexilhões

500g de anéis de lula

Meio pimentão vermelho pequeno picadinho

4 tomates sem pele e sementes picadinhos

50ml de leite de coco

1 cebola picada

2 dentes de alho picadinhos

1 taça de vinho branco seco

Suco de um limão

1 colher de sopa de azeite de dendê

100ml de azeite de oliva extra virgem

Sal

Pimenta preta moída na hora

Salsinha verde picadinha

 

Preparo:

Aquecer uma panela com o azeite de oliva, azeite de dendê e a manteiga e juntar a cebola, o pimentão e o alho, refogando em fogo médio. Em seguida adicionar os tomates o sal e a pimenta.  Regar com o vinho, cozinhando até evaporar o líquido. Assim que o molho engrossar juntar a lula, o mexilhão, suco de limão e o leite de coco. Corrigir o sal e a pimenta e somar a salsinha.  Juntar o camarão, desligar o fogo e reservar. Cozinhar o espaguete, escorrer e juntar ao molho de frutos do mar. Servir em seguida!

 

As mãos de meu pai - Mario Quintana

As tuas mãos tem grossas veias

como cordas azuis

sobre um fundo de manchas

já da cor da terra

— como são belas as tuas mãos

pelo quanto lidaram, acariciaram

ou fremiram da nobre cólera dos justos…

Porque há nas tuas mãos, meu velho pai,

essa beleza que se chama simplesmente vida.

E, ao entardecer, quando elas repousam

nos braços da tua cadeira predileta,

uma luz parece vir de dentro delas…

Virá dessa chama que pouco a pouco,

longamente, vieste alimentando

na terrível solidão do mundo,

como quem junta uns gravetos

e tenta acendê-los contra o vento?

Ah, como os fizeste arder, fulgir,

com o milagre das tuas mãos!

E é, ainda, a vida que transfigura

as tuas mãos nodosas…

essa chama de vida —

que transcende a própria vida…

e que os Anjos, um dia,

chamarão de alma.


terça-feira, 4 de agosto de 2020

Veo Grande Cabernet Sauvignon/Syrah Reserva 2017 - um blend do Vale do Colchágua

Anima-me os vinhos elaborados com mistura de duas ou mais uvas, os chamados blend ou assemblage como queiram. Tais vinhos diminuem o risco de erro por parte do consumidor e não são tão dependentes em sua tipicidade do terroir em que os vinhedos se encontram, ou seja, são vinhos menos suscetíveis as intempéries de uma safra como os varietais, pois conjuga-se a melhor expressão de cada uva em sua composição. 

Um destes blends é o vinho comentado desta semana, o chileno Veo Grande Cabernet Sauvignon/Syrah Reserva 2017 elaborado pela gigante Vinícola Errazuriz. Um vinho que resumiu as características de cada uma das castas que o compõe, trazendo a estrutura da Cabernet Sauvignon e a fruta da Syrah. 

O resultado é um vinho e coloração rubi violáceo com carregamento olfativo de muita frutas maduras (cereja, groselha, amoras e framboesas), chá preto, pimentão verde e pimenta negra e boca com ótimo equilíbrio, médio corpo, taninos sedosos, boa acidez e lembrança de frutas negras, caramelo e tostado com amplo e largo final.

Amadurece 8 meses em barricas de carvalho francês.

Faz par gastronômico com carnes bovinas e ovinas assadas, copa, salamito, linguiça e queijos médios.

Este vinho combina perfeitamente com cordeiro assado, carne, churrasco e queijos.

Possui 13,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos Errazuriz na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, tele-entrega pelo (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     


Porto Alegre terá o primeiro Food Hub colaborativo e independente do Brasil

Grupo de empresários de gastronomia da Capital se uniu para criar o Galpão Food Hub, que contará com tradicionais restaurantes da cidade. Localizado no bairro Sarandi, o empreendimento com investimento de R$ 2 milhões vai gerar 40 empregos diretos e irá atender inicialmente com delivery, em função da pandemia.

A partir do dia 27 de julho, Porto Alegre contará com um tipo de operação gastronômica inédita no país. O Galpão Food Hub reunirá em um mesmo local, no bairro Sarandi (Rua Engenheiro Sadi Castro, 470), restaurantes já tradicionais na Capital, que atuarão em um sistema colaborativo. O projeto surgiu a partir da união de empresários dos restaurantes Usina de Massas, Tokyo Sushi Lounge, Tartoni Ristorante, Usina do Pastel, Fornellone e Gambrinus (estes dois últimos irão operar com outras marcas), em discussões sobre como inovar no segmento e enfrentar a crise gerada pela pandemia.

Inicialmente, o atendimento será somente via delivery, pelos canais de pedidos online de cada estabelecimento e do Galpão Food Hub, além das plataformas Ifood, Rappi e Uber Eats. Em até 30 dias deve passar a operar no modelo takeaway e mais adiante, quando for possível, poderá receber o público para consumo local, com ações de entretenimento. A expectativa é de 500 entregas por dia, com faturamento médio de R$ 100 mil por mês, por operação. O novo negócio irá gerar em torno de 40 vagas de emprego diretos e investimento de R$ 2 milhões.

“Dono de restaurante acha que dono de outro restaurante é concorrente. Entendemos que somos parceiros. O grupo é formado por empresários e negócios de diferentes perfis, mas homogêneo com relação à visão estratégica”, explica Áureo Martinez, sócio da Usina de Massas, sobre a iniciativa. A ideia surgiu em discussões que surgiram em fóruns sobre gastronomia e gestão, promovidos pelo Sebrae e pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) – entidade em que os empresários são conselheiros.

Conforme Martinez, este é um conceito inédito no Brasil, pois a mobilização partiu dos próprios empresários do ramo da gastronomia e não de um investidor externo. O projeto permite que cada empresário possa operar com até três operações diferentes, ou seja, além da sua marca original, poderá implantar outras duas no mesmo local, utilizando o sistema de entregas e estrutura. A escolha da região para implantação do Galpão se deu por uma razão estratégica: “queríamos sair da região central, para não interferir na área de entrega da maioria das operações de base de cada um e também porque avaliamos dados e a Zona Norte segunda maior área de demanda de delivery em Porto Alegre - fica atrás apenas do centro”, conta Martinez.

 

 


quinta-feira, 30 de julho de 2020

O tartare de cogumelos e beterrabas!

Confira a versão vegana desta clássica receita bárbara!

A origem do Steak Tartare é uma incógnita – assim como a maioria dos pratos clássicos mundiais. Alguns dizem que nasceu na Europa Central em viagem de Átila, o Huno, da Muralha da China à região onde hoje ficam França e Alemanha. As caças cruas e sem vísceras eram postas sob a sela do cavalo para amaciar e que tal prática culinária medieval era popular entre as tribos guerreiras dos tártaros, na Mongólia, que abatia o gado que pastava nas estepes e que, por ter uma carne de baixa qualidade, acabava sendo picada para torná-la mais palatável e digestível aos bárbaros. Já a sua versão mais próxima do que conhecemos hoje surgiu na Alemanha – onde somou-se gema e ovo e alcaparras - mas foi a França que a tornou famosa após a Segunda Guerra Mundial. O certo é que o Steak Tartare – cujo pomposo nome revela-se num simples e fácil picado de carne crua somado a ingredientes variados, teve origem deste na prática culinária medieval popular entre as tribos guerreiras dos tártaros, na Mongólia, que abatia o gado que pastava nas estepes e que, por ter uma carne de baixa qualidade, acabava sendo picada para torná-la mais palatável e digestível aos bárbaros. E esta clássica receita foi adaptada numa versão vegana onde troca-se a carne por cogumelos e beterraba. Confira!


Ingredientes:

300g de cogumelo grande tipo Portobello sem os caules

1 colher de sopa de mostarda tipo dijon

2 colheres de chá de alcaparras escorridas e picadas

3 beterrabas pré-cozidas cortadas em cubos de 1cm

1 cebola roxa pequena cortada em cubinhos e escaldada

1 dente de alho picadinho

Pitadas de orégano

1 colher de sopa de azeite oliva

1 colher de sopa de vinagre de maçã

Pimenta preta e sal a gosto

 

Preparo:

Leve os cogumelos para um frigideira untada com azeite de oliva e refogue rapidamente para darem uma leve murchada (1 a 2 minutos). Corte em cubos de 1cm e reserve. 

Em uma tigela junte a mostarda, alcaparras, cebola, alho, orégano vinagre, azeite de oliva. Acrescente os cogumelos e a beterraba e misture bem juntando o sal e a pimenta. 

Molde com um potinho ou anel de metal as porções e sirva acompanhado de rúcula e torradinhas.       

 


terça-feira, 28 de julho de 2020

Miolo Syrah Reserva 2019 - excelência do Vale do São Francisco!


Tenho gostado muito dos vinhos linha Reserva da Miolo! As safras 2018 e 2019 da vinícola gaúcha estão ótimas, arrisco-me a dizer sem arestas sejam tintos ou brancos. Entre as várias regiões produtivas do Brasil, o Miolo Syrah Reserva 2019 é produzido no município de Casa Nova na Bahia, no Vale do São Francisco.  

Possui profunda coloração rubi violácea com lágrimas gordas e lentas. Entrega ao nariz aromas com framboesa, cerejas, alcaçuz, toque lácteo, floral (hibiscos e lavanda), pimenta preta e notas defumadas e terrosas. Álcool presente que se esvai nos primeiros minutos. Boca com taninos marcantes e redondos, frutado, defumado, tostado, médio corpo, amplo final e persistência.  Fruta, madeira e álcool bem integrados formando um saboroso conjunto.

Este vinho estagia por até 12 meses em barrica de carvalho francês de mais usos. 

Assim como os demais vinhos da Miolo, é vegano por certificação da The Vegan Society da Inglaterra.

Faz belo par na companhia de carnes bovinos na grelha e ao ponto, como vazio, entrecote, picanha e maminha. Pela sua estrutura combina também com feijoada, mocotó, carnes com molho na panela entre outros.

Possui 14,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 18oC.

Você encontra os vinhos Miolo na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, tele-entrega pelo (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

terça-feira, 21 de julho de 2020

Pró-vinho lançou a campanha #VemProVinho2020


Durante esta semana - de 20 a 26 de julho - profissionais, empresas, bares, restaurantes, produtores e importadoras farão ações diversas, tais como promoções e descontos a fim de promover e fomentar o consumo do vinho, de maneira responsável, além de auxiliar na retomada de mercado


Conforme pesquisa realizada pela Ideal Consulting, a importação de vinho nos primeiros cinco meses do ano de 2020 no Brasil aumentou 5% em volume, somando 43 milhões de litros. Excelente notícia para o setor e mais um motivo para darmos boas-vindas a ações bem elaboradas, como a campanha #VemProVinho2020 que beneficia todo o mercado de vinhos.

Com abrangência nacional, a campanha acontecerá entre os dias 20 e 26 de julho e é encabeçada pela Pró-Vinho. Durante este período, serão divulgados os descontos e facilidades para o consumidor final, além de outras ações como vídeos, Lives e posts educativos no Instagram da @pro_vinho.br Muitas destas ações já foram colocadas no ar e seguem até o fim da campanha.

“Será uma ótima oportunidade para o consumidor provar vinhos diferentes e ampliar seu conhecimento, já que as promoções prometem tornar muitos rótulos mais acessíveis”, afirma Marcio Marson, coordenador da Pró-Vinho.

Para acompanhar as novidades, acesse o site da Pró-Vinho: www.provinho.org.br

AÇÕES :: #VemProVinho2020 : 

:: Promoção ::

Na compra de uma garrafa dos vinhos Barbera D’Asti Efraim, Barbera D’Asti ou Grignolino Ce La Vite da vinícola Ca’Del Profeta (cadelprofeta.com.br), o cliente receberá uma garrafa do vinho Ca’Del Profeta Brachetto Momentum.
A importadora Premium (premiumwines.com.br) fará ações promocionais direcionadas a três segmentos:
- Consumidores finais: desconto de 22% em toda a linha da Premium durante toda a semana.
- Restaurantes: dúzia de 14 durante um mês para aqueles que fizerem a introdução de novos produtos da Premium ou colocarem vinhos da Premium em taça.
- Lojistas: dúzia de 14 durante um mês para aqueles que fizerem a introdução de novos produtos da Premium
O restaurante Vinheria Percussi (percussi.com.br) com apoio da importadora Zahil (zahil.com.br) terá descontos para vinhos servidos na mesa e para quem os queira levar para casa. São eles: Negroamaro Salento ‘Arunte’ IGT 2018 “Cantolio” a R$ 116 (mesa) ou R$ 89 (casa) e Fiano Salento ‘Cleonymus’ IGT 2018 “Cantolio” a R$ 116 na (mesa) ou R$ 89 (casa).

:: Live ::

No dia 21, às 20h30, o influencer Leandro Baena do @chorodavideira fará uma live sobre vinhos brasileiros nas plataformas digitais da Eniwine (eniwine.com).
:: Degustação ::
Durante a semana, todos que realizarem compras no site da importadora Casa Marche (casamarche.com.br) no valor mínimo de R$ 300 quando o frete passa ser grátis para a cidade de São Paulo, estarão concorrendo a um almoço harmonizado com vinhos para duas pessoas no dia 31/7 no restaurante Vinheria Percussi, na companhia de Guilherme Buoncompagno e Lamberto Percussi. Serão quatro vinhos: espumante, branco e dois tintos, todos harmonizando com menu da Vinheria Percussi (percussi.com.br).

:: Ensino ::

A importadora Casa Flora (casaflora.com.br) desenvolverá ações de educação ao consumidor dentro de suas plataformas digitais Instagram e YouTube, além de ações comerciais com seus principais parceiros, do tipo on trade e off trade. A importadora Portus Cale (portuscale.com.br) disponibilizará vídeo aulas sobre estilos de vinhos com seus profissionais. Estes estarão atrelados a promoções diárias do tipo flash sale.

Sobre a Pró-Vinho
Lançada no início de 2019, a Pró-Vinho é uma iniciativa interprofissional, que teve entre seus fundadores a Abras (Associação Brasileira de Supermercados), a ABBA (Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas), o extinto Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho), a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) e Profissionais do Setor (jornalistas das principais publicações do país, comunicadores e sommeliers). A Pró-Vinho tem como objetivo divulgar a cultura do vinho no Brasil. Uma vez por mês, representantes dessas entidades e especialistas do setor se reúnem para discutir ações de promoção do vinho, assim como a melhor forma de envolver o on-trade e os consumidores




quinta-feira, 16 de julho de 2020

A maminha empanada em farinha de funghi secchi!


Carne e cogumelos de um jeito diferente!

Pandemia na nossa volta e nada melhor que preparar um prato um pouquinho mais elaborado – mesmo que rusticamente – em casa na companhia daqueles que gostamos. E a receita de hoje usa carne vermelha e farinha de cogumelo desidratado – o funghi secchi – ideal na companhia de um bom vinho tinto louco para sair da adega! Confira!


Ingredientes:
(para 2 pessoas)

600g de maminha
100g de funghi secchi (cogumelos desidratados)
Sal e pimenta à gosto
Óleo para fritar
200g de batata branca
100ml de leite
50g de queijo gorgonzola
Uma colher de sopa de manteiga
Sal e pimenta à gosto
Pitada de noz moscada
Folhas de alecrim para decorar

Preparo:

Distribuir o funghi secchi em uma bandeja e levar ao forno pré-aquecido por dez minutos a uma temperatura baixa, tipo 150oC, apenas para tirar a umidade e dar uma rápida secada no cogumelo que já é desidratado. Tirar do fogo e colocar em um processador e bater para triturar até formar um pó. Peneirar este pó que será usado como farinha e reservar. Limpar uma peça de maminha. Temperar com sal e pimenta preta moída na hora. Dispor a farinha de funghi numa bandeja e empanar a peça por todos os lados. Bater o excesso e deixar descansar na geladeira por trinta minutos. Enquanto isso, preparar o purê de batata para acompanhar, cozinhando as batatas brancas, tirando a casca e esmagando tudo dentro de uma tigela. Em separado, aquecer o leite com o gorgonzola ralado dentro, a manteiga e os temperos. Usar este molho para terminar o purê mexendo vigorosamente. Aquecer um fio de óleo em uma frigideira antiaderente e passar a maminha empanada na farinha de funghi. Cerca de três minutos de cada lado. A coloração ficará marrom forte mas não significa que está queimado, é a farinha tostando. Levar ao forno pré-aquecido a 200oC por 20 minutos. Cortar em fatias de cerca de 4 cm de largura e servir acompanhado do purê e folhas de alecrim.                 

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Don Guerino Origine 1880 Teroldego 2018


A uva Teroldego é uma casta tinta da região do extremo norte de Trento, no nordeste da Itália. Seu cultivo é datado da metade do século XIX. Estudos baseados no seu DNA atestaram que a Teroldego é “irmã” da Dureza (uva extinta que é “mãe” da Syrah!).  Trata-se de um fruto de cor roxa escura e cascas firmes e que produz vinhos encorpados e com acidez e amargor característicos. Além da Itália, Estados Unidos, Austrália e Brasil elaboram vinhos com esta casta. Os imigrantes italianos que chegaram ao Rio Grande do Sul, ao final do século XIX e são originários do Trento, tornaram a Serra Gaúcha o berço dos vinhos elaborados com a Teroldego e com os enólogos da nova geração resgatando-a como o que ocorre na vinícola gaúcha Don Guerino, de Alto Feliz, que produz o Don Guerino Origine 1880 Teroldego 2018.

É um vinho de linda coloração rubi violáceo e expõe aromas de frutas maduras (ameixa, cereja e mirtilo), chocolate, café, especiarias e leve defumado. Em boca é muito cômodo e agradável de beber, com equilíbrio e taninos suaves como a casta sugere. Possui médio corpo e ampla persistência.   

Harmoniza com carnes vermelhas em variados preparos de cocção, massas com molhos condimentados, legumes na brasa, lasanha de berinjela e queijos médios.

50% do vinho estagia 6 meses em carvalho francês e americano.

Possui 13,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 18oC.

Você encontra os vinhos Don Guerino na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, tele-entrega pelo (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 9 de julho de 2020

A salada de radicchio mediterrânea!


Amargo mas muito crocante o radicchio encanta com seu sabor único!

Nas feiras rurais e supermercados com farto hortifrutigranjeiros encontra-se o radicchio, verdura de origem italiana - muitos o chamam de chicória roxa – e encanta a começar pela coloração roxa avermelhada com veios brancos e espessos, com gosto amargo mas crocante ao ser mastigado, é repleto de benefícios a saúde. Pode ser consumido além de saladas também cozido, grelhado, com peixes e carnes, risotos e massas diversas. Também conhecido como Cichorium intybus é um ingrediente tradicional da dieta italiana, que enfatiza alimentos vegetais inteiros. E é ele que dá origem a salada de radicchio mediterrânea.


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

4 folhas firmes de radicchio
100g de queijo cortado em cubos de cerca de 1cm
16 tomatinhos cereja
Folhas de manjericão fresco
Ramos de ceboulette ou salsinha para decorar
Gotas de aceto balsâmico
Fio de azeite de oliva
Sal e pimenta do reino à gosto

Preparo:

Tempere a folha de radicchio e dentro dela monte a salada alocando cada ingrediente com cuidado e atenção. Depois salpique sal e gotas de balsâmico e oliva e sirva como entrada. Fica uma delícia!


Você sabia?
O radicchio tem ótimos benefícios para a saúde de um modo geral. Além de ter tem poucas calorias o seu princípio amargo lactucopicrina (intibina) tem um efeito sedativo e analgésico.   Suas folhas são uma excelente fonte de antioxidantes de flavonóides fenólicos, como zeaxantina e luteína. Sua composição é rica em boas propriedades, entre as quais vale destacar a lactupicrina, conhecida por combater eficientemente o estresse. Também, a zeaxantina, um pigmento natural das verduras, composto abundante em suas folhas que é excelente para a saúde dos olhos.  Não só, é uma ótima fonte de vitaminas, especialmente a C e K, minerais e fibras.


quarta-feira, 8 de julho de 2020

Don Laurindo Reserva Assemblage 2018


Ademir Brandelli é um dos mais festejados enólogos gaúchos e há vário anos comanda a Vinícola Don Laurindo, primando os seus vinhos com qualidade e perfeccionismo. O Don Laurindo Reserva Assemblage 2018 é mais um representante desta bela safra do vinho brasileiro, composto pelo corte de 60% Merlot, 25% Tannat e 15% Cabernet Sauvignon.

Possui cor rubi profundo que se expande pela taça. Inicialmente tímido ao nariz – ideal é dexá-lo arejando por uns 30 minutos – depois aromas que pronunciam frutas negras (ameixas e cerejas), hibiscos, leve alcaçuz, ervas, toque terroso e chocolate. Em boca mostra-se seco, estruturado, com taninos redondos, fruta macerada e chocolate no final, amplo e persistência, ótimo volume.

Repousa 12 meses em barricas de carvalho francês.

Com corpo robusto acompanha bem carnes vermelhas na brasa (costela de cordeiro é uma delas), caças, massas de molho condimentado e queijos duros.

Possui 12,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 18oC.

Você encontra os vinhos Don Laurindo na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, tele-entrega pelo (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

segunda-feira, 6 de julho de 2020

Nascido em 7 de julho - Dia Mundial do Chocolate!


Acredita-se que o chocolate teve origem na cultura asteca, quando era consumido em forma de bebida. A chegada dos espanhóis ao México fez com que o produto fosse introduzido na Europa ainda no século XVI. De lá para cá, o produto foi conquistando paladares ao redor do planeta e ganhou até mesmo uma data mundial para ser celebrado: 7 de julho.


O chocolate chegou ao Brasil no século XVII e, atualmente, o país é o 5º em maior volume de vendas do produto no varejo, de acordo com dados da Euromonitor. Estimativas da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab) indicam que o consumo per capita de chocolate gira em torno de 2,6 kg por ano, ainda tímido se comparado à Suíça, país que mais consome chocolate no mundo, com 8,5 kg/ ano por habitante.

"Temos um amplo potencial a explorar, por isso, as indústrias de chocolate investem para ampliar cada vez mais seu portifólio, de forma a atender as diversas necessidades e interesses do consumidor brasileiro", afirma o presidente da Abicab, Ubiracy Fonsêca.

Há muito por trás dos produtos de chocolate como o conhecemos. Neste Dia Mundial do Chocolate confira algumas curiosidades sobre o produto e sua fabricação industrial:

- Cacau não tem gosto de chocolate: a poupa do cacau in natura não tem o gosto e o cheiro característicos do chocolate. O aroma começa a ser desenvolvido na etapa de secagem da amêndoa de cacau (a semente do fruto), ainda na fazenda; é acentuado no processo de torrefação, que tira a umidade da amêndoa, antes de ela seguir para o processo de moagem; e somente já nas indústrias de chocolate, durante o processo de conchagem, é que seu sabor se consolida.

- O refinamento do chocolate pode levar de horas a até dias: a conchagem, um longo processo de mistura, agitação e aeração do chocolate em forma líquida e aquecida, pode levar de 12 horas a até dias. A quantidade de tempo depende do tipo de produto escolhido pelo fabricante. É esse processo que determina a textura do chocolate e consolida seu sabor. Esta etapa acontece logo depois da mistura dos ingredientes que dão vida ao chocolate: licor de cacau ou torta de cacau (massa resultante do processo de moagem da amêndoa de cacau), manteiga de cacau (também resultante do processo de moagem), leite (se a receita for de chocolate ao leite) e açúcar ou outro tipo de adoçante. Outros ingredientes também podem ser adicionados ao longo do processo de conchagem.

- Chocolate branco tem cacau, sim: durante o processo de moagem, realizado em sua maioria por indústrias processadoras de cacau são obtidos da amêndoa dois subprodutos: a torta de cacau (massa resultante da moagem) e a manteiga de cacau (gordura que é presente na amêndoa). A receita básica do chocolate branco é composta por manteiga de cacau, leite e açúcar. Não há adição da torta de cacau, que dá a coloração e característica do chocolate preto.

- Toneladas de bombons: as caixas de bombons lideram a fabricação de produtos de chocolate em termos de toneladas produzidas. Em 2019, essa categoria de produto representou 22% do total das 559 mil toneladas de chocolate fabricadas, sem contar achocolatado em pó. Somando achocolatado em pó, a produção total da indústria brasileira foi de 756 mil toneladas em 2019.

- Mãos ao chocolate: A indústria nacional de chocolate emprega 23,6 mil pessoas de forma direta. Análise da Consultoria Tendências, encomendada pela Abicab, em 2018, indicou que a cada emprego gerado no setor de Chocolates, Amendoim e Balas, outros 3,78 postos são gerados de forma indireta.

Sobre a ABICAB:

A Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas - ABICAB foi fundada em 1957 e representa os principais fabricantes do país junto às esferas pública e privada, no Brasil. A indústria brasileira nestes setores fatura cerca de R 28 bilhões e gera mais de 37 mil empregos diretos. A entidade, que representa atualmente 92% do mercado de chocolates, 93% do mercado de balas e confeitos e 62% do mercado de amendoim, tem como objetivo central desenvolver, proteger e promover as indústrias associadas, estimulando ações para o fomento dos mercados interno e externo nestes setores, bem como o consumo responsável dos produtos.

quinta-feira, 2 de julho de 2020

O risoto de cordeiro, pinhão e arroz arbóreo integral!


Que tal uma saborosa receita para este final de semana gelado de inverno?

Esta época é perfeita para saborear uma bandeja de pinhões cozidos ou assados! Esta iguaria é um dos ingredientes mais tradicionais da culinária gaúcha tendo origem gastronômica pelas mãos dos primeiros colonizadores italianos, alemães e portugueses que para estes pagos vieram. Foi pelas panelas dos tropeiros nos Campos de Cima da Serra – local onde os pinheiros são abundantes - que o pinhão serviu de contexto em variadas receitas ou mesmo em carreira solo, seja em uma panela fervente ou na chapa do fogão a lenha. Um dos bons preparos que encontramos em Cambará do Sul e em São José dos Ausentes é o Risoto de Pinhão consumido nas pousadas e restaurantes junto com os filés de truta na manteiga, batata doce assada, carnes de panela com aipim, feijão mexido e compotas de doces de abóbora e laranja. Somamos o pinhão a carne de cordeiro sobrada do churrasco e com um arroz arbóreo integral espetacular na composição da receita desta semana. Confira! 



Ingredientes:
(para 4 pessoas)

250g de carne de cordeiro assada e cortada em cubos de 1cm
1 xícara de chá de pinhões cozidos, descascados e fatiados
2 xícaras de arroz arbóreo integral
1 pimentão vermelho pequeno cortado em cubinhos
1 cebola média cortada em cubinhos
2 dentes de alho picadinhos
Salsinha picadinha
Tomilho
Meia xícara de queijo parmesão ralado
150 ml de vinho branco seco
2 colheres de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
8 xícaras de caldo de carne
Sal e pimenta do reino moída à gosto

Preparo:

Aqueça uma colher de azeite de oliva e uma de manteiga numa panela e frite rapidamente a carne de cordeiro. Junte a cebola e o alho, refogando em fogo médio. Quando dourar, juntar os pimentões e os pinhões e refogar por um minuto. Somar o arroz e mexer com os ingredientes. Adicionar o vinho, cozinhando até evaporar parte do líquido. Aos poucos ir adicionando o caldo de carne, concha por concha, mantendo encharcado o preparo. Adicionar pimenta preta, tomilho e sal. Cozinhar por cerca de 20 a 25 minutos para que o arroz fique “al dente”. Desligar o fogo e juntar a manteiga e o queijo parmesão. Misturar bem, tampar a panela e deixar descansar por aproximadamente três minutos, o que finalizará o cozimento do arroz. Servir o risoto em seguida regando com um generoso fio de azeite de oliva.

Dica: você encontra arroz arbóreo integral da marca Rei Arthur nos melhores supermercados da região.


Você sabia?
Lá se vão centenas e centenas de anos em que o pinhão, essa semente legitimamente brasileira, se tornou uma das melhores companhias na temporada mais fria do ano. Apreciado no Sul e Sudeste do país, ele ostenta uma mistura de ingredientes que, além de aquecer o estômago, traz muitos benefícios para o nosso corpo. Fornece energia na forma de carboidrato, fibras, minerais e os celebrados compostos fenólicos, defensores das nossas células. Povos indígenas que inclusive ajudaram a disseminar a espécie, caso dos caingangues e dos choclengues, e, depois, os tropeiros que iam e vinham pelo Brasil de antigamente eram grandes fãs desse preparo de gosto peculiar. A espécie pode ser considerada um fóssil vivo, já que existe há milhões de anos e resistiu até mesmo à era glacial. Considerado por muitos como fruta, o pinhão é na verdade a semente da araucária (araucaria angustifólia), árvore que simboliza o estado do Paraná. Apesar de rico em amidos, o que o torna bastante calórico, contém vitaminas do complexo B, cálcio, fósforo e proteínas.

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Fillo Old Wines Carignan 2015 - um delicioso exemplar desta casta!


A uva Carignan produz vinhos de coloração intensa e profunda, com elevado teor alcoólico, acidez, tânicos e de ótima estrutura. A origem desta casta é indefinida, mas supõe-se que ela tenha surgido na Espanha e no sul da França lá pelo século XVII. Depois atravessou o oceano e veio na metade do século XIX para Califórnia, na Argentina e no Chile. Na Espanha, a Carignan é conhecida como Cariñena e Mazuelo; na Itália, recebe o nome de Cariñano. 

No Chile na metade do século passado, esta cepa era popular e utilizada para cortar vinhos produzidos pela uva País trazida pelos conquistadores espanhóis. 

Hoje, naquele país, a vinícola BO Wines do Vale do Maule engarrafa o Fillo Old Wines Carignan 2015, de coloração rubi violáceo profundo, um corte de 90% Carignan e 10% entre Merlot e Cabernet Sauvignon e que não passa em barrica, mantendo a autenticidade da casta. Os aromas típicos trazem frutos negros destacando ameixas e amoras, além de violetas, pimenta e chá preto e nota mineral. Possui corpo médio, robusto e potente, com taninos redondos e envolventes e amplo e saboroso final.  

Esta safra cravou 94 pontos no Guia Descorchados e 91 pontos na avaliação do crítico James Suckling.  

Harmoniza bem com carnes assadas, carne ao molho escuro, massas com molho condimentados e queijos médios.

Possui 14,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra o vinho Fillo na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, e tele-entrega pelo whatsapp (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!      

terça-feira, 30 de junho de 2020

Vinícola Aurora lança Millésime Cabernet Sauvignon 2017


Elaborado apenas em safras excelentes, vinho ícone da cooperativa gaúcha já está sendo comercializado 


Está chegando aos pontos de venda de todo o Brasil o Aurora Millésime 2017, elaborado a partir de uma safra histórica para a Cabernet Sauvignon, a rainha das uvas tintas. Nos 89 anos da Vinícola Aurora, esta é apenas a décima edição deste vinho. As anteriores foram em 1991, 1999, 2004, 2005, 2008, 2009, 2011, 2012 e 2015.

Nesta nova safra, o vinho ícone da empresa gaúcha ampliou para 18 meses sua passagem por barricas de carvalho americano, seis a mais que a versão de 2015. O contato com a madeira, associado a boa maturação das uvas, resultou em um perfil aveludado. No olfato, além da baunilha marcante, característica tradicional do uso do carvalho americano, há a presença de notas de ameixa, cassis, frutas secas e tabaco. Sua estrutura é equilibrada, com taninos agradáveis, boa acidez com profundidade e persistência excelentes, dignas de um grande vinho de guarda.

Flavio Zilio, enólogo-chefe da Vinícola Aurora, explica que a decisão de se tornar ou não um Aurora Millésime acontece ao longo do período de elaboração, do campo à enologia, levando em conta todos os processos: “Escolhemos as uvas das melhores parcelas de vinhedos dos nossos associados, vinificamos e fazemos uma verificação muito controlada no processo de evolução em tanque e em barrica. Depois da análise, enviamos para o envase e, após, esse produto permanece, normalmente, por mais oito meses na cave, descansando na garrafa, antes de receber a rotulagem”.

O cuidado extremo fez com que as safras do Aurora Millésime fossem destacadas em publicações especializadas, como o Guia Adega e Anuário de Vinhos do Brasil, e premiadas em concursos nacionais e internacionais, como Expovinhos, Vinum Brasilis e Vinitaly. A Aurora é a vinícola mais premiada do Brasil, com cerca de 700 medalhas conquistadas nos principais certames chancelados pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV).

A palavra “Millésime” significa, de forma simples, o melhor vinho da melhor safra. Também quer dizer que o vinho contido na garrafa provém de uvas colhidas exclusivamente no ano mencionado no rótulo. A Aurora escolheu o Millésime para representar seu vinho ícone, produzido somente em safras nas quais as condições climáticas foram excelentes para o cultivo da Cabernet Sauvignon.

“Temos um carinho especial pelo Aurora Millésime, um vinho que se consolidou muito dentro da cooperativa. Além do extremo cuidado para a elaboração, é um produto competitivo, por ser diferenciado e de alta qualidade com um valor na faixa dos R$ 110. São poucos rótulos deste nível que conseguem chegar em um preço como este. E isso nos orgulha, pois queremos levar prazer aos consumidores”, celebra o enólogo-chefe, antecipando que novas edições do produto podem ser lançadas daqui três e seis anos, com as safras 2018 e 2020, respectivamente.

O Millésime Cabernet Sauvignon 2017 tem edição limitada de 24 mil garrafas numeradas, que estão à venda em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. O preço médio é de R$ 110. 

Para harmonizar com a nova edição, a sugestão é apostar em combinações com carnes vermelhas em geral, carnes de caça, aves de carne escura, molhos untuosos, massas com molhos de queijos de sabor acentuado e risotos com essas bases.



quinta-feira, 25 de junho de 2020

O pesto de rúcula!


Se há um molho que conquista pelo seu sabor inigualável este é o pesto!

Quem já não esteve frente a frente com um belo penne ao pesto e antes mesmo da primeira garfada não estampou um sorriso de orelha a orelha? Pois é, o saborosíssimo molho pesto nasceu na cidade de Gênova, na Itália. Lá, por conta do clima favorável, a região é rica na variedade de ervas frescas e um sem fim de ingredientes in natura e saudáveis. Tanto que o manjericão mais aromático do mundo vem daquela região. O preparo deste molho tem seus primeiros registros no livro dos irmãos Ratto, o “Cuciniera Genovese”. Ainda se utiliza em muitos lugares o pilão para preparar este molho, esmagando-se nele os ingredientes, por isso a palavra “pesto” tem origem no verbo italiano “pestare” que quer dizer macerar. Tradicionalmente é preparado com manjericão, alho, queijo de leite de ovelha (queijo pecorino) e pignoli, um tipo de pinhão menor, amassados, picados e somados com sal e azeite de oliva. Acompanha muito bem massas, batatas e carnes. Mas hoje vou apresentar uma variante deste molho, usando rúcula! Portanto acompanhe a receita do Pesto de Rúcula! 


Ingredientes:

1 maço de rúcula
Meia xícara de chá de amêndoas ou nozes
1 dente e alho
Meia xícara de chá de azeite de oliva extra virgem
4 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
Sal e pimenta do reino à gosto
1 colher (chá) de sal

Preparo:

Lave e seque bem a rúcula. Rasgue as folhas em pedaços e transfira para o copo do processador e junte todos os demais ingredientes. Tempere com o sal e pimenta e bata bem. Transfira para uma molheira e sirva a seguir com massas, grelhados, sanduíches e tudo o que sua imaginação gastronômica quiser!
 

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Pago de Cirsus Oak Aged 2018 - uma delícia de tinto espanhol!


A região espanhola de Navarra, em Ribera Baja abriga a Bodega Pago de Cirsus brindada com o clima continental europeu com verões quentes e secos e invernos bem frios. Lá se produz um blend com 50% Syrah, 25% Tempranillo e 25% Merlot, o Pago de Cirsus Oak Aged 2018, vinho de ótimo corpo e perfeita integração da fruta com a madeira e seus 14,5% de graduação alcoólica. 
Possui cor rubi brilhante e envolvente e logo ao retirar-se a rolha sua carga aromática espraia-se pelo ambiente com frutas maduras (cerejas e groselhas em compota), alcaçuz, caramelo, couro, hibiscos, especiarias, tostado e toque mineral. Boca com boa pegada tânica, médio corpo, muito redonda. Fruta macerada e bem integrada a tosta da barrica. Ótimo retrogosto, amplo final. Mesmo sendo 2018 um vinho pronto e delicioso para consumir-se.

90% do vinho amadurece em barricas de carvalho francês e 10% em americano por 9 meses.

Na harmonização acompanha muito bem leitão assado no forno com pururuca, marreco assado, codorna recheada, legumes na brasa, cordeiro presuntos e embutidos.

Possui 14,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 16oC.

Você encontra o vinho Pago de Cirsus na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, e tele-entrega pelo whatsapp (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 11 de junho de 2020

O jantar dos namorados!


Apimente a relação preparando algo exótico, saboroso e que deixe aquela sensação de “quero mais”!

O jantar do Dia dos Namorados não pode ser mera convenção – para aqueles que gostam realmente dos seus pares! Nada de ir se enfumaçar no entorno de uma panela de fondue (ou alguém vai dizer que é romântico ficar cheirando a fritura, estufado depois de passar quase 3 horas comendo e sonolento pelas taças de vinho tinto? Faça diferente, vá para a cozinha e prepare algo – que seja simples – mas que seja feito com dedicação e carinho. E não elabore quantidade, pois lembre-se que num jantar a dois costumeiramente a mulher é bem mais regrada e prova pouco, portanto, não vá preparar um espeto-corrido com acompanhamentos! Neste dia especial valorize a pessoa que lhe compreende, ouve, arrepia e ama com a receita do camarão empanado no coco! 


Ingredientes:
(para 2 pessoas)

500g de camarão grande descongelado
1 xícara de raspas de coco, flocos de coco ou coco ralado
1 ovo + 1 clara de ovo
Pimenta preta moída na hora à gosto
Sal à gosto
Óleo de para fritar
Quatro colheres de sopa de geleia de damasco
2 colheres de sopa de molho de pimenta

Preparo:

Seque os camarões com papel toalha para retirar o excesso de água. Monte uma sequência de empanação dispondo 3 pratos na seguinte ordem: combine um terço de xícara de raspas de coco, pimenta e sal; bata o ovo e a clara de ovo até formar espuma; outro prato somente com raspas de coco. Segurando o camarão pela cauda, ​​primeiro mergulhe a mistura de coco temperado (prato 1), depois cubra com a mistura de ovos (prato 2) e cubra levemente com o coco puro (prato 3). Adicione o óleo para cobrir o fundo de uma frigideira e pré-aqueça em fogo médio alto. Quando o óleo estiver quente, coloque pequenas quantidades do camarão preparado na panela e frite por cerca de 2 minutos de cada lado. Retire o camarão para escorrer sobre papel toalha. Misture a geleia de damasco e o molho de pimenta e reserve. Coloque o camarão quente e o molho em um prato ou travessa, decore com rodelas de limão e salsinha e corra para o abraço acompanhado de um bom espumante!

quarta-feira, 10 de junho de 2020

Monastrell La Hormiga Roja 2018


A dica de vinho desta semana é de mais uma uva tinta não tão usual ao padrão sulamericano, trata-se da Monastrell largamente cultivada na Espanha, logo atrás da Tempranillo. Na França leva o nome de Mourvèdre e é cultivada nas regiões do Languedoc-Roussillon e Châteauneuf-du-Pape. Também Austrália e Estados Unidos a cultivam onde esta variedade é conhecida como Mataró. Na Espanha, seu berço, espalha vinhedos pelas regiões de Jumilla, Penedés, Alicante e Valencia. 
O espanhol Monastrell La Hormiga Roja 2018 é um honesto representante desta casta, produzido pela competente vinícola Bodegas Alceno na região de Jumilla. Possui cor rubi violáceo, límpido e muito brilhante. Nos aromas carrega framboesa, cereja, morango e tutti frutti além de toque mineral e especiarias. Possui corpo médio, com muita leveza e frescura, taninos suaves e gostosa fruta em boca, descolado e fácil de beber. Não passa em madeira, vai direto dos tanques de inox para a garrafa. 
Este vinho casa muito bem na harmonização com carne bovina grelhada, cordeiro assado na brasa, copa e salamito, queijos de cabra e grana padano, carnes de caça, molhos com queijo gorgonzola e roquefort, paella valenciana, pizzas e até mesmo frango assado!
Pode comprar, sua parceria vai adorar na noite do Dia dos Namorados!
Possui 13% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 14 a 16oC.
Você encontra vinhos Monastrell na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, e tele-entrega pelo whatsapp (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br
E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!