quinta-feira, 15 de agosto de 2019

O ossobuco!


Um clássico italiano na receita de hoje!

“Oss bus” significa “osso com buraco” no dialeto milanês, da Itália, lugar de origem do ossobuco, um prato clássico italiano. Em Milão, o ossobuco é um dos pratos mais apreciados da cozinha local servido quase sempre na companhia de risoto milanês. Há registros do consumo de ossobuco entre os milaneses desde 1700. Originalmente, lá ele é preparado em um cozido profundo e demorado, enriquecido com azeite, legumes, vinho e ervas. É um corte bovino de músculo da parte inferior da perna com osso e com tutano ao meio que ao ser cozido lentamente fica tenro e macio. A seguir saiba como preparar o Ossobuco! 


Ingredientes:
(para 6 pessoas)

2 kg de ossobuco (cerca de 6 fatias)
1 cenoura grande descascada
2 cebolas médias picadas
1 kg de tomates sem pele e sem sementes picados
2 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de manteiga
1 xícara de chá de farinha de trigo
3 dentes de alho picadinhos
1 colher de chá de manjericão
2 colheres de sopa de extrato de tomate
1 xícara de chá de caldo de carne
2 xícaras de chá de vinho branco seco
Meia taça de vinho tinto seco
Sal e pimenta a gosto

Preparo:

Tempere com sal e pimenta as fatias de ossobuco. Passe cada peça na farinha de trigo e numa panela aquecida com a manteiga com o azeite frite as fatias de ossobuco, aos poucos, até que dourem de todos os lados. Retire da panela e reserve. Na mesma panela refogue por cerca de 15 minutos a cenoura, o alho e a cebola com a panela tampada. Junte as peças de ossobuco e o manjericão. Some o extrato de tomate, o caldo de carne, os tomates e o vinho branco e se necessário, acrescente água o suficiente para que a carne fique coberta. Deixe ferver, tampe a panela, abaixe o fogo, junte o vinho tinto e deixe que cozinhe até a carne ficar macia o que pode levar cerca de 1 hora. Assim que chegar na maciez desejada, retire a carne e sirva com o molho acompanhada de risoto milanês, polenta mole ou purê de batatas e claro, com a gremolata!

Você sabia?



A pasta chamada “gremolata” é ideal para acompanhar o ossobuco. É elaborada misturando salsa, alho e raspas de limão que ressalta ainda mais os sabores e aromas da carne. Traz um toque de limão aos pratos, sendo uma escolha deliciosa para cobrir a carne. Mas é claro, você pode usá-lo para outros pratos de acordo com o seu paladar. Além disso, ele é muito fácil, rápido e simples de fazer, sendo uma alternativa para emergências. Tudo o que você precisa é uma xícara de salsinha fresca picada bem fina, três dentes de alhos picados bem finos, e as raspas da casca de dois limões, de preferência, siciliano. Misture bem esses três ingredientes em um recipiente e sirva sobre o seu prato. Além do sabor, o gremolata também decora muito bem a refeição! 


  

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Tinedo Ja! 2017 - deliciosamente orgânico!


Os vinhos orgânicos estão cada vez mais tendo visibilidade no mercado mundial e muitos produtores estimam que seja uma tendência promissora e que irá alterar a forma como nos relacionamos com o vinho. Vinho orgânico é aquele que é produzido sem o uso de agrotóxicos (leia-se pesticidas, herbicidas e fertilizantes sintéticos) que são substituídos por compostos orgânicos e pelo uso de animais que são predadores naturais de alguns insetos e pragas. Na elaboração se utiliza procedimentos de vinificação somente naturais da uva, descartando leveduras de laboratório, microoxigenção e outros manejos. Um dos principais objetivos do cultivo orgânico é dar a luz a um vinho o mais puro e saudável possível. A produção de vinhos orgânicos representa, hoje, cerca de 4% da fabricação mundial da bebida. Foram os americanos naturalistas da Califórnia produziram os primeiros vinhos orgânicos do mundo na década de 60. Após 30 anos, os europeus também passaram a fabricá-los. No Brasil há quase 10 anos já são encontrados e a produção e consumo só aumentam. 

Um destes vinhos orgânicos provei esta semana, trata-se do espanhol Tinedo Ja! 2017 produzido com uvas 100% Tempranillo. Possui cor rubi escuro com ótimo brilho. Ao nariz ataque inicial alcoólico, depois abre os aromas com amora, cereja, groselha, alcaçuz, canela e pimenta. Boca redonda, fruta farta, boa estrutura, excelente retrogosto e final longo. Fácil e saboroso de beber.

Amadurece por 1 ano em tanques de concreto sem revestimento e possui breve passagem por carvalho.

Vai bem com carnes vermelhas grelhadas, risoto de cordeiro, massa à carbonara eentre outras e queijos de média cura.

Possui 14% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura entre 16 e 18oC.

Você encontra os vinhos Tinedo na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br.

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

domingo, 11 de agosto de 2019

Jantar Harmonizado Wein Haus com vinhos Guatambu


Na próxima quinta-feira, 15 de agosto, a partir das 20h, a Wein Haus promoverá um jantar harmonizado com vinhos da Vinícola Guatambu, de Dom Pedrito. A apresentação dos rótulos ficará a cargo da sócia e enóloga Gabriela Potter e o cardápio será de responsabilidade da equipe da Garni Foods. 


O menu será composto por couvert de pães e caponata acompanhado do espumante Guatambu Brut Rosé; entrada será salada caprese harmonizada com Luar do Pampa Sauvignon Blanc; primeiro prato espaguete à carbonara na companhia do Rastros do Pampa Merlot; segundo prato filé ao molho röti e risoto de cogumelos escoltado pelo Lendas Cabernet Sauvignon e o vinho top da vinícola, o Épico; por fim a sobremesa petit gateau ao molho de chocolate quente harmonizado com vinho licoroso Essência do Pampa. Os convites já estão à venda na loja pelo valor de R$ 150. As vagas são limitadas! Garanta seu ingresso! Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3711-3665 e e-mail weinhaus@weinhaus.com.br

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

O matambre suíno recheado!


Uma ótima receita para o Dia dos Pais!

Neste domingo comemora-se mais um Dia dos Pais! E eu sou um privilegiado neste sentido, pois tenho um pai saudável e dois filhos lindos! Para tano pensei numa receita que pudesse atender a todos nós, em família, algo que gostamos sem ressalvas. Talvez pela descendência alemã, talvez pela falta de preconceito culinário, ou ainda pela inquietação de buscar misturas inusitadas, a receita de hoje reúne o doce com o salgado, carne com fruta, hortaliça com vinho, enfim um pouporri de ingredientes deliciosos. Confira o preparo do matambre suíno recheado!    


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

1 kg de matambre suíno
4 metades de pêssegos em calda
2 dentes de alho picadinhos
Sálvia fresca
Meia cebola roxa fatiada em pétalas
Suco de 1 limão
Pimenta preta moída e sal a gosto
1 taça de vinho branco seco
Azeite de oliva

Preparo:


Abra o matambre e tempere dos dois lados com suco de limão, sal e pimenta. Vire a parte da gordura para baixo, regue a parte da carne com azeite de oliva e distribua sobre toda a extensão a sálvia, o alho, a cebola e os pêssegos. Enrole com cuidado no sentido do comprimento. Amarre com barbante e disponha numa assadeira regada com oliva e com a taça de vinho. Cubra com papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido a 200oC por 45 minutos. Retire o alumínio e deixe por mais 30 minutos. Corte em fatias e sirva acompanhado de purê de batatas ou mandioquinha!

Um feliz Dia dos Pais a todos leitores!



quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Guatambu Essência do Pampa Cabernet Sauvignon 2015


Vinhos licorosos são aqueles que, pela legislação brasileira, possuem teor alcoólico natural ou adquirido de 14% a 18% em volume, sendo permitido, na sua elaboração, o uso de álcool etílico potável de origem agrícola, mosto concentrado, caramelo, ente outros. Pode ser classificado como seco, quando o teor de glicose é de até 20 gramas/litro, ou doce, com valores acima disso. O vinho do Porto é considerado licoroso, por exemplo, assim como o Jerez produzido na Espanha. 

Aqui no nosso país um dos bons representantes deste tipo de vinho é o Guatambu Essência do Pampa Cabernet Sauvignon 2015, produzido em Dom Pedrito na Campanha Gaúcha. 

Apresenta uma coloração rubi atijolada com nuances ocres e tem uma explosão e aromas em taça: maçã, uva passa, frutas cristalizadas, cereja, tâmaras, baunilha, tostado, couro e tabaco, vindo do envelhecimento em barril de carvalho durante 10 meses. Em boca é envolvente, potente, marcante, com ótimo volume, leve adocicado com notas de café e caramelo e final de boca tostado, com grande persistência.

Harmoniza com sobremesas doces e inegavelmente com um bom charuto!

Tem produção de apenas 2.000 garrafas numeradas.

Possui 18% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura entre 16 e 18oC.

Você encontra os vinhos Guatambu na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

O barreado!



Preparar o barreado é muito fácil, basta paciência e freio na fome!

O barreado é o maior representante da culinária paranaense. Elaborado com corte de segunda (paleta, patinho ou coxão duro), cominho e toucinho, o prato é cozido por horas na panela de barro, vedada por uma massa feita com farinha de mandioca e água. Quando pronto, é servido com farinha de mandioca e banana, para completar a fartura.  Confira a receita!


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

1 kg de carne de paleta bovina sem osso
150 g de bacon picado
2 dentes de alho picados
1 cebola cortada em fatias finas
Pitadas de cominho moído
1 folha de louro
Pimenta preta moída e sal a gosto
Para a vedação da panela:
150 g de farinha de mandioca
20 g de farinha de trigo
Água fria

Preparo:

Corte a carne em cubos de cerca de 5 cm e a cebola em rodelas. Tempere a carne com alho, sal, pimenta e cominho. Numa panela, que pode ser de alumínio ou barro, coloque uma camada de carne, depois uma camada de cebola e depois a de bacon, e assim sucessivamente, sendo que a última camada deve ser de bacon. O louro deve ser colocado entre as camadas. Coloque água fria até a altura da última camada. Se a panela for de alumínio deve-se amarrar a tampa com uma cordinha para ficar bem firme. Antes de levar ao fogo, fazer a “barreação”, isto é, a vedação da panela: com a farinha de mandioca, a farinha de trigo e a água fria preparar uma espécie de massa que deve ficar espessa e aderir firmemente à panela. Com esta massa cobrir toda a superfície ao redor da tampa, numa espessura de uns 4 cm. Com o calor do fogo, essa massa se transformará quase num cimento, vedando totalmente a panela. Reservar um pouco de massa para cobrir os furos que o vapor fará na vedação durante o cozimento. Levar a panela ao fogo forte por 2 horas ou até ferver (percebe-se isto quando o vapor começa a furar a massa de vedação). A partir da fervura, deixar a panela em fogo baixo por cerca de 6 a horas. Depois de pronto deixar descansar por cerca de 8 horas. Pouco antes de servir, abra a panela e retire a camada de bacon que ficou por cima, amasse-a e devolva à panela. A carne estará totalmente macia e em forma desfiada. Coloque tudo para ferver novamente, sem a vedação, e o barreado está pronto. A maneira de servir também é importante: num prato fundo, coloca-se a farinha de mandioca e despeja-se o barreado em cima, bem quente, com o caldo de cozimento e mistura-se bem, fazendo um pirão e é acompanhado de banana.

Você sabia?


De origem portuguesa, o icônico prato paranaense vem do Litoral, originário dos sítios dos pescadores, há mais de 200 anos atrás. Era preparado pelos caboclos e pescadores durante as festividades do carnaval, ou servir os tropeiros de passagem pela região, ou ainda para alimentar quem participava dos mutirões para construção de espaços públicos. O barreado segue o ritual de cozinhar a carne por muitas horas numa panela de barro lacrada com farinha para evitar que o vapor escape e o cozido seque depressa, vem o nome barreado, uma contribuição dos açorianos, que deu nome ao prato. 

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Masi Tupungato Malbec 2013


Tupungato é uma sub-região do Vale do Uco em Mendoza cujos vinhedos situam-se entre 950 e 1050 metros de altitude. A bodega Masi Tupungato é uma das dezenas que lá estão e elabora um bom e saboroso vinho com 100% do varietal Malbec. 

O Masi Tupungato Malbec 2013 é um tinto de cor rubi profundo e brilhante, com uma ampla palheta de aromas, contemplando amoras, ameixas, alcaçuz, compota, chocolate, especiarias e tostado. 

Em boca traz um paladar excelente. Fruta negra macerada com toque de baunilha, couro, taninos redondos e macios, final longo e com ótimo retrogosto.

O vinho amadurece por 6 meses em barrica de carvalho francês e americano.

Faz harmonização com carnes vermelhas e legumes grelhados, massas com molhos encorpados, queijos duros e charcutaria.

Possui 13% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura entre 16 e 18oC.

Você encontra o vinho Masi na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!