quinta-feira, 2 de julho de 2020

O risoto de cordeiro, pinhão e arroz arbóreo integral!


Que tal uma saborosa receita para este final de semana gelado de inverno?

Esta época é perfeita para saborear uma bandeja de pinhões cozidos ou assados! Esta iguaria é um dos ingredientes mais tradicionais da culinária gaúcha tendo origem gastronômica pelas mãos dos primeiros colonizadores italianos, alemães e portugueses que para estes pagos vieram. Foi pelas panelas dos tropeiros nos Campos de Cima da Serra – local onde os pinheiros são abundantes - que o pinhão serviu de contexto em variadas receitas ou mesmo em carreira solo, seja em uma panela fervente ou na chapa do fogão a lenha. Um dos bons preparos que encontramos em Cambará do Sul e em São José dos Ausentes é o Risoto de Pinhão consumido nas pousadas e restaurantes junto com os filés de truta na manteiga, batata doce assada, carnes de panela com aipim, feijão mexido e compotas de doces de abóbora e laranja. Somamos o pinhão a carne de cordeiro sobrada do churrasco e com um arroz arbóreo integral espetacular na composição da receita desta semana. Confira! 



Ingredientes:
(para 4 pessoas)

250g de carne de cordeiro assada e cortada em cubos de 1cm
1 xícara de chá de pinhões cozidos, descascados e fatiados
2 xícaras de arroz arbóreo integral
1 pimentão vermelho pequeno cortado em cubinhos
1 cebola média cortada em cubinhos
2 dentes de alho picadinhos
Salsinha picadinha
Tomilho
Meia xícara de queijo parmesão ralado
150 ml de vinho branco seco
2 colheres de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
8 xícaras de caldo de carne
Sal e pimenta do reino moída à gosto

Preparo:

Aqueça uma colher de azeite de oliva e uma de manteiga numa panela e frite rapidamente a carne de cordeiro. Junte a cebola e o alho, refogando em fogo médio. Quando dourar, juntar os pimentões e os pinhões e refogar por um minuto. Somar o arroz e mexer com os ingredientes. Adicionar o vinho, cozinhando até evaporar parte do líquido. Aos poucos ir adicionando o caldo de carne, concha por concha, mantendo encharcado o preparo. Adicionar pimenta preta, tomilho e sal. Cozinhar por cerca de 20 a 25 minutos para que o arroz fique “al dente”. Desligar o fogo e juntar a manteiga e o queijo parmesão. Misturar bem, tampar a panela e deixar descansar por aproximadamente três minutos, o que finalizará o cozimento do arroz. Servir o risoto em seguida regando com um generoso fio de azeite de oliva.

Dica: você encontra arroz arbóreo integral da marca Rei Arthur nos melhores supermercados da região.


Você sabia?
Lá se vão centenas e centenas de anos em que o pinhão, essa semente legitimamente brasileira, se tornou uma das melhores companhias na temporada mais fria do ano. Apreciado no Sul e Sudeste do país, ele ostenta uma mistura de ingredientes que, além de aquecer o estômago, traz muitos benefícios para o nosso corpo. Fornece energia na forma de carboidrato, fibras, minerais e os celebrados compostos fenólicos, defensores das nossas células. Povos indígenas que inclusive ajudaram a disseminar a espécie, caso dos caingangues e dos choclengues, e, depois, os tropeiros que iam e vinham pelo Brasil de antigamente eram grandes fãs desse preparo de gosto peculiar. A espécie pode ser considerada um fóssil vivo, já que existe há milhões de anos e resistiu até mesmo à era glacial. Considerado por muitos como fruta, o pinhão é na verdade a semente da araucária (araucaria angustifólia), árvore que simboliza o estado do Paraná. Apesar de rico em amidos, o que o torna bastante calórico, contém vitaminas do complexo B, cálcio, fósforo e proteínas.

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Fillo Old Wines Carignan 2015 - um delicioso exemplar desta casta!


A uva Carignan produz vinhos de coloração intensa e profunda, com elevado teor alcoólico, acidez, tânicos e de ótima estrutura. A origem desta casta é indefinida, mas supõe-se que ela tenha surgido na Espanha e no sul da França lá pelo século XVII. Depois atravessou o oceano e veio na metade do século XIX para Califórnia, na Argentina e no Chile. Na Espanha, a Carignan é conhecida como Cariñena e Mazuelo; na Itália, recebe o nome de Cariñano. 

No Chile na metade do século passado, esta cepa era popular e utilizada para cortar vinhos produzidos pela uva País trazida pelos conquistadores espanhóis. 

Hoje, naquele país, a vinícola BO Wines do Vale do Maule engarrafa o Fillo Old Wines Carignan 2015, de coloração rubi violáceo profundo, um corte de 90% Carignan e 10% entre Merlot e Cabernet Sauvignon e que não passa em barrica, mantendo a autenticidade da casta. Os aromas típicos trazem frutos negros destacando ameixas e amoras, além de violetas, pimenta e chá preto e nota mineral. Possui corpo médio, robusto e potente, com taninos redondos e envolventes e amplo e saboroso final.  

Esta safra cravou 94 pontos no Guia Descorchados e 91 pontos na avaliação do crítico James Suckling.  

Harmoniza bem com carnes assadas, carne ao molho escuro, massas com molho condimentados e queijos médios.

Possui 14,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra o vinho Fillo na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, e tele-entrega pelo whatsapp (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!      

terça-feira, 30 de junho de 2020

Vinícola Aurora lança Millésime Cabernet Sauvignon 2017


Elaborado apenas em safras excelentes, vinho ícone da cooperativa gaúcha já está sendo comercializado 


Está chegando aos pontos de venda de todo o Brasil o Aurora Millésime 2017, elaborado a partir de uma safra histórica para a Cabernet Sauvignon, a rainha das uvas tintas. Nos 89 anos da Vinícola Aurora, esta é apenas a décima edição deste vinho. As anteriores foram em 1991, 1999, 2004, 2005, 2008, 2009, 2011, 2012 e 2015.

Nesta nova safra, o vinho ícone da empresa gaúcha ampliou para 18 meses sua passagem por barricas de carvalho americano, seis a mais que a versão de 2015. O contato com a madeira, associado a boa maturação das uvas, resultou em um perfil aveludado. No olfato, além da baunilha marcante, característica tradicional do uso do carvalho americano, há a presença de notas de ameixa, cassis, frutas secas e tabaco. Sua estrutura é equilibrada, com taninos agradáveis, boa acidez com profundidade e persistência excelentes, dignas de um grande vinho de guarda.

Flavio Zilio, enólogo-chefe da Vinícola Aurora, explica que a decisão de se tornar ou não um Aurora Millésime acontece ao longo do período de elaboração, do campo à enologia, levando em conta todos os processos: “Escolhemos as uvas das melhores parcelas de vinhedos dos nossos associados, vinificamos e fazemos uma verificação muito controlada no processo de evolução em tanque e em barrica. Depois da análise, enviamos para o envase e, após, esse produto permanece, normalmente, por mais oito meses na cave, descansando na garrafa, antes de receber a rotulagem”.

O cuidado extremo fez com que as safras do Aurora Millésime fossem destacadas em publicações especializadas, como o Guia Adega e Anuário de Vinhos do Brasil, e premiadas em concursos nacionais e internacionais, como Expovinhos, Vinum Brasilis e Vinitaly. A Aurora é a vinícola mais premiada do Brasil, com cerca de 700 medalhas conquistadas nos principais certames chancelados pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV).

A palavra “Millésime” significa, de forma simples, o melhor vinho da melhor safra. Também quer dizer que o vinho contido na garrafa provém de uvas colhidas exclusivamente no ano mencionado no rótulo. A Aurora escolheu o Millésime para representar seu vinho ícone, produzido somente em safras nas quais as condições climáticas foram excelentes para o cultivo da Cabernet Sauvignon.

“Temos um carinho especial pelo Aurora Millésime, um vinho que se consolidou muito dentro da cooperativa. Além do extremo cuidado para a elaboração, é um produto competitivo, por ser diferenciado e de alta qualidade com um valor na faixa dos R$ 110. São poucos rótulos deste nível que conseguem chegar em um preço como este. E isso nos orgulha, pois queremos levar prazer aos consumidores”, celebra o enólogo-chefe, antecipando que novas edições do produto podem ser lançadas daqui três e seis anos, com as safras 2018 e 2020, respectivamente.

O Millésime Cabernet Sauvignon 2017 tem edição limitada de 24 mil garrafas numeradas, que estão à venda em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. O preço médio é de R$ 110. 

Para harmonizar com a nova edição, a sugestão é apostar em combinações com carnes vermelhas em geral, carnes de caça, aves de carne escura, molhos untuosos, massas com molhos de queijos de sabor acentuado e risotos com essas bases.



quinta-feira, 25 de junho de 2020

O pesto de rúcula!


Se há um molho que conquista pelo seu sabor inigualável este é o pesto!

Quem já não esteve frente a frente com um belo penne ao pesto e antes mesmo da primeira garfada não estampou um sorriso de orelha a orelha? Pois é, o saborosíssimo molho pesto nasceu na cidade de Gênova, na Itália. Lá, por conta do clima favorável, a região é rica na variedade de ervas frescas e um sem fim de ingredientes in natura e saudáveis. Tanto que o manjericão mais aromático do mundo vem daquela região. O preparo deste molho tem seus primeiros registros no livro dos irmãos Ratto, o “Cuciniera Genovese”. Ainda se utiliza em muitos lugares o pilão para preparar este molho, esmagando-se nele os ingredientes, por isso a palavra “pesto” tem origem no verbo italiano “pestare” que quer dizer macerar. Tradicionalmente é preparado com manjericão, alho, queijo de leite de ovelha (queijo pecorino) e pignoli, um tipo de pinhão menor, amassados, picados e somados com sal e azeite de oliva. Acompanha muito bem massas, batatas e carnes. Mas hoje vou apresentar uma variante deste molho, usando rúcula! Portanto acompanhe a receita do Pesto de Rúcula! 


Ingredientes:

1 maço de rúcula
Meia xícara de chá de amêndoas ou nozes
1 dente e alho
Meia xícara de chá de azeite de oliva extra virgem
4 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
Sal e pimenta do reino à gosto
1 colher (chá) de sal

Preparo:

Lave e seque bem a rúcula. Rasgue as folhas em pedaços e transfira para o copo do processador e junte todos os demais ingredientes. Tempere com o sal e pimenta e bata bem. Transfira para uma molheira e sirva a seguir com massas, grelhados, sanduíches e tudo o que sua imaginação gastronômica quiser!
 

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Pago de Cirsus Oak Aged 2018 - uma delícia de tinto espanhol!


A região espanhola de Navarra, em Ribera Baja abriga a Bodega Pago de Cirsus brindada com o clima continental europeu com verões quentes e secos e invernos bem frios. Lá se produz um blend com 50% Syrah, 25% Tempranillo e 25% Merlot, o Pago de Cirsus Oak Aged 2018, vinho de ótimo corpo e perfeita integração da fruta com a madeira e seus 14,5% de graduação alcoólica. 
Possui cor rubi brilhante e envolvente e logo ao retirar-se a rolha sua carga aromática espraia-se pelo ambiente com frutas maduras (cerejas e groselhas em compota), alcaçuz, caramelo, couro, hibiscos, especiarias, tostado e toque mineral. Boca com boa pegada tânica, médio corpo, muito redonda. Fruta macerada e bem integrada a tosta da barrica. Ótimo retrogosto, amplo final. Mesmo sendo 2018 um vinho pronto e delicioso para consumir-se.

90% do vinho amadurece em barricas de carvalho francês e 10% em americano por 9 meses.

Na harmonização acompanha muito bem leitão assado no forno com pururuca, marreco assado, codorna recheada, legumes na brasa, cordeiro presuntos e embutidos.

Possui 14,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 16oC.

Você encontra o vinho Pago de Cirsus na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, e tele-entrega pelo whatsapp (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 11 de junho de 2020

O jantar dos namorados!


Apimente a relação preparando algo exótico, saboroso e que deixe aquela sensação de “quero mais”!

O jantar do Dia dos Namorados não pode ser mera convenção – para aqueles que gostam realmente dos seus pares! Nada de ir se enfumaçar no entorno de uma panela de fondue (ou alguém vai dizer que é romântico ficar cheirando a fritura, estufado depois de passar quase 3 horas comendo e sonolento pelas taças de vinho tinto? Faça diferente, vá para a cozinha e prepare algo – que seja simples – mas que seja feito com dedicação e carinho. E não elabore quantidade, pois lembre-se que num jantar a dois costumeiramente a mulher é bem mais regrada e prova pouco, portanto, não vá preparar um espeto-corrido com acompanhamentos! Neste dia especial valorize a pessoa que lhe compreende, ouve, arrepia e ama com a receita do camarão empanado no coco! 


Ingredientes:
(para 2 pessoas)

500g de camarão grande descongelado
1 xícara de raspas de coco, flocos de coco ou coco ralado
1 ovo + 1 clara de ovo
Pimenta preta moída na hora à gosto
Sal à gosto
Óleo de para fritar
Quatro colheres de sopa de geleia de damasco
2 colheres de sopa de molho de pimenta

Preparo:

Seque os camarões com papel toalha para retirar o excesso de água. Monte uma sequência de empanação dispondo 3 pratos na seguinte ordem: combine um terço de xícara de raspas de coco, pimenta e sal; bata o ovo e a clara de ovo até formar espuma; outro prato somente com raspas de coco. Segurando o camarão pela cauda, ​​primeiro mergulhe a mistura de coco temperado (prato 1), depois cubra com a mistura de ovos (prato 2) e cubra levemente com o coco puro (prato 3). Adicione o óleo para cobrir o fundo de uma frigideira e pré-aqueça em fogo médio alto. Quando o óleo estiver quente, coloque pequenas quantidades do camarão preparado na panela e frite por cerca de 2 minutos de cada lado. Retire o camarão para escorrer sobre papel toalha. Misture a geleia de damasco e o molho de pimenta e reserve. Coloque o camarão quente e o molho em um prato ou travessa, decore com rodelas de limão e salsinha e corra para o abraço acompanhado de um bom espumante!

quarta-feira, 10 de junho de 2020

Monastrell La Hormiga Roja 2018


A dica de vinho desta semana é de mais uma uva tinta não tão usual ao padrão sulamericano, trata-se da Monastrell largamente cultivada na Espanha, logo atrás da Tempranillo. Na França leva o nome de Mourvèdre e é cultivada nas regiões do Languedoc-Roussillon e Châteauneuf-du-Pape. Também Austrália e Estados Unidos a cultivam onde esta variedade é conhecida como Mataró. Na Espanha, seu berço, espalha vinhedos pelas regiões de Jumilla, Penedés, Alicante e Valencia. 
O espanhol Monastrell La Hormiga Roja 2018 é um honesto representante desta casta, produzido pela competente vinícola Bodegas Alceno na região de Jumilla. Possui cor rubi violáceo, límpido e muito brilhante. Nos aromas carrega framboesa, cereja, morango e tutti frutti além de toque mineral e especiarias. Possui corpo médio, com muita leveza e frescura, taninos suaves e gostosa fruta em boca, descolado e fácil de beber. Não passa em madeira, vai direto dos tanques de inox para a garrafa. 
Este vinho casa muito bem na harmonização com carne bovina grelhada, cordeiro assado na brasa, copa e salamito, queijos de cabra e grana padano, carnes de caça, molhos com queijo gorgonzola e roquefort, paella valenciana, pizzas e até mesmo frango assado!
Pode comprar, sua parceria vai adorar na noite do Dia dos Namorados!
Possui 13% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 14 a 16oC.
Você encontra vinhos Monastrell na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, e tele-entrega pelo whatsapp (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br
E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!