quinta-feira, 17 de maio de 2018

O cogumelo na chapa!



O uso deste fungo na gastronomia reporta-se a milhares de anos e hoje está aqui dentro da sua cozinha!

Os cogumelos cada vez mais ganham as mesas dos cozinheiros amadores! Saídos principalmente dos menus de restaurantes internacionais hoje ocupam espaço nas alternativas a la carte de inúmeros lugares e mais ainda nos pratos preparados no aconchego do lar. São variados os tipos e os mais comumente encontrados nas gôndolas dos supermercados e mercearias são o paris, o shtitake, o shimeji, o portobello e o salmão. Os cogumelos podem ser usados e preparados em diversos pratos, desde saboreados in natura até assados ao forno ou na brasa, usados em caldos, molhos e acompanhamentos entre outros. Os cogumelos são uma forma comum de fungo que cresce em todo o mundo e se desenvolvem em bosques ou em áreas recobertas de grama em que haja muita umidade. Mas não se engane pois muitas variedades são tóxicas. Possuem ação antimicrobiana, ação antioxidante, diminuem o colesterol, combatem o diabetes, são bons para quem tem doenças na tireoide e são ricos em ácido fólico. Confira a seguir uma receita fácil e rápida preparar este fungo, o Cogumelo na chapa e molho de soja!



Ingredientes:
(para 2 pessoas)

300g de cogumelos shitake frescos
Um dente de alho picadinho
Duas colheres de sopa de cebolinha verde picadinha
Meia cebola pequena picadinha
Uma colher de chá rasa de manteiga
Uma colher de sopa de azeite de oliva extra-virgem
Duas colheres de sopa de molho de soja
Sal e pimenta do reino moída à gosto

Preparo:

Fatie os cogumelos em 2 ou 3 partes. Aqueça o azeite de oliva e a manteiga juntos e refogue a cebola e o alho. Assim que murchar junte os cogumelos e suba o fogo. 

Tempere com sal e pimenta e junte o molho de soja. 

Refogue por uns 2 minutos, desligue, disponha em um prato e salpique com a cebolinha verde picada. Sirva acompanhado de pão ciabatta!


quarta-feira, 16 de maio de 2018

Vinhos brasileiros arrecadam 40 prêmios em Londres



Reconhecimento vem de uma das mais criteriosas competições de vinhos do mundo

A qualidade dos vinhos e espumantes brasileiros já é reconhecida mundialmente. Mas quando a distinção vem de um dos mais rígidos concursos internacionais de vinhos, o orgulho é ainda maior. O Brasil vitivinícola acaba de ampliar seu ranking com a conquista de 40 premiações conferidas pela 34ª edição do International Wine Challenge, realizado nos dias 22 e 23 de abril, em Londres, na Inglaterra.

Milhares de vinhos de 55 países foram degustados por um painel de especialistas do mundo todo. O resultado distingue rótulos que foram degustados e melhor pontuados em três distintos momentos por pelo menos 10 juízes diferentes. O concurso leva em consideração a fidelidade ao estilo, região e safra de cada produto.

PREMIAÇÕES

Medalha de Prata (5)

Cave Geisse Espumante Extra Brut, 2014 - Vinícola Geisse
Garibaldi Espumante Moscatel - Cooperativa Vinícola Garibaldi
Salton Prosecco Brut, 2017 - Vinicola Salton
Miolo Cuvee Tradition Brut - Miolo Wine Group
Peterlongo Espumante Privilege Extra Brut -  Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo

Medalha de Bronze (15)

Aurora Espumante Pinto Bandeira Extra Brut - Cooperativa Vinícola Aurora
Casa Valduga Leopoldina Chardonnay, 2017 - Casa Valduga  Vinhos Finos
Casa Valduga Gran Identidade, 2012 - Casa Valduga  Vinhos Finos
Épico - Edição 3 - Vinícola Guatambu
Chandon Espumante Brut Rosé - Chandon Do Brasil
Aurora Procedências Espumante Chardonnay Brut - Cooperativa Vinícola Aurora
Aurora Espumante Conde de Foucauld Brut - Cooperativa Vinícola Aurora
Aliança Espumante Moscatel - Cooperativa Agroindustrial Nova Aliança
Luiz Porto Syrah, 2014 - Luiz Porto
Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay, 2015 - Miolo Wine Group
Rio Carnival Sparkling - Marks & Spencer
Ponto Nero Espumante Brut - Domno do Brasil
Miolo Millésime Espumante Brut, 2012 - Miolo Wine Group
Peterlongo Espumante Elegance Nature - Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo
Memórias Geraldo Marcon Espumante Brut, 2013 - Casa Geraldo Indústria Vitivinícola

Recomendação Honrosa (20)

Casa Valduga Espumante 130 Blanc de Blancs - Casa Valduga  Vinhos Finos
Casa Valduga Espumante 130 Blanc de Noir - Casa Valduga  Vinhos Finos
Don Giovanni Espumante Brut - Don Giovanni Indústria e Com. de Bebidas
Don Giovanni Espumante Série Ouro Extra Brut - Don Giovanni Indústria e Com. de Bebidas
Maria Maria Diva Sauvignon Blanc, 2017 - Vinhos Maria Maria
Garibaldi  Espumante Prosecco - Cooperativa Vinícola Garibaldi
Jolimont Espumante Moscate, 2017 - Vitivinícola Jolimont
Lendas do Pampa Tannat, 2017 - Vinícola Guatambu
Aurora Reserva Cabernet Sauvignon, 2016 - Cooperativa Vinícola Aurora
Aurora Reserva Chardonnay, 2017 - Cooperativa Vinícola Aurora
Salton Campanha, 2016 - Vinícola Salton
Salton Poética - Vinícola Salton
Ponto Nero Espumante Brut Rosé - Domno do Brasil
Peterlongo Espumante Privilege Brut - Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo
Armando MemóriaTeroldego, 2016 - Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo
Armando Memória Touriga Nacional, 2016 – Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo
Castellamare Espumante Natural Brut, 2017 - Cooperativa Vinícola São João
Castellamare  Espumante Moscatel - Cooperativa Vinícola São João
Castellamare Espumante Natural Brut Rosé - Cooperativa Vinícola São João
Castellamare Espumante Natural Brut, 2016 - Cooperativa Vinícola São João

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Batalha Tannat 2015 - da campanha gaúcha para o mundo!


A Campanha Gaúcha tem se mostrado promissora para o cultivo de vinhos finos há muitos anos, mas nestes últimos dez o número de investimentos de tradicionais e novas vinícolas só aumentou. Naquele terroir castas como a Tannat por exemplo, estão se desenvolvendo com pleno vigor, resultando em vinhos estruturados, carregados de aromas e cor. A excelente safra 2018 então está com a expectativa nas alturas pois promete ser uma das melhores dos últimos anos. E enquanto ela não chega, vou comentar hoje um Tannat de safra passada elaborado por uma vinícola da nova geração, o Batalha Tannat 2015 produzido pela vinícola homônima em Candiota e elaborado com menos de 15% de Merlot e o restante com o Tannat. 

O nome da vinícola se refere à famosa Batalha do Seival, ocorrida em 1836 onde hoje se localiza o município de Candiota (RS). Foi um conflito militar em que os revolucionários da revolução farroupilha venceram o exército do império brasileiro e ensejaram a República Riograndense.  

Apresenta coloração rubi com reflexos violáceos. Traz aromas de frutas vermelhas e negras, destacando ameixa, amora, framboesa e mirtilo, também toque de caramelo, cacau, torrefação e especiarias. Tem boca potente, estruturada, seca e salivante com ampla persistência. Taninos redondos e macios, acidez que pede carne vermelha.

Parte do vinho teve passagem em barricas de carvalho francês por 6 meses.

Faz par com churrasco de carne bovina, caças, queijos duros, pizzas e massas com molhos substanciosos.

Possui graduação alcoólica de 12,5% e o ideal é ser servido na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos Batalha na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Vinícola Salton tem novo presidente



A Salton, vinícola de tradição centenária, comunica que, após 38 anos dedicados à empresa, Daniel Salton, membro da terceira geração da família de imigrantes italianos, transfere a presidência executiva a seu filho, Maurício Salton. O administrador de empresas de 34 anos atua na Salton desde 2005, assumindo como diretor a partir de 2010. Com pós-graduação em Gestão Empresarial com ênfase em Negócios Internacionais é, ainda, especialista em Gestão Estratégica de Negócios.

Foto: Eduardo Benini
A preparação sucessória ganhou mais corpo na estrutura empresarial da Vinícola sob o comando de Daniel nos últimos oito anos. Para manter o crescimento e projetar um futuro com ainda mais sucesso, a reinvenção se fez presente com a adoção de práticas de governança corporativa. Primeiro integrante da quarta geração da família a ocupar um cargo na diretoria, Maurício foi escolhido pelo Conselho de Administração, por unanimidade, para assumir a presidência dentro do processo planejado de acordo com o estatuto da Salton.

O executivo permanece à frente das estratégias voltadas ao mercado interno e externo, funções já desempenhadas enquanto Diretor de Operações, incorporando essas atividades a gestão e liderança da empresa que completou 107 anos em 2017. A diretoria segue composta pela diretora-executiva, Luciana Salton, pelo diretor comercial, Cleber Slaifer, seguido do diretor industrial Jr., Marcos Flamia, e do diretor administrativo Jr., Marcelo Lucchese. O quadro atual mantém o plano estratégico apresentado ao Conselho de Administração, cuja presidência permanece sendo ocupada por Daniel Salton.

“Vamos dar sequência ao processo de profissionalização na gestão e seguir nos reinventando, investindo em tecnologia, inovação e qualidade. Sempre respeitando as nossas origens e o legado das gerações anteriores, representados na simplicidade e no trabalho árduo. Acima de tudo, guiar com transparência, prezando pelos relacionamentos. Acredito que só estaremos preparados para o amanhã, dando hoje o nosso melhor”, resume Maurício. 

A decisão foi tomada antes do prazo limite, inicialmente estipulado pelo Conselho para 2020 – quando Daniel teria completado 65 anos, idade máxima para a diretoria executiva. Dessa forma, o processo se diferencia da transição da segunda para a terceira geração. “A outra transição foi complexa, justamente por não haver esse perfil de governança corporativa. Eu e Ângelo (presidente que antecedeu Daniel) tivemos que resolver muitas questões que agora não será preciso. Esta mudança é mais fluida e tranquila”, explica Daniel Salton que, assim como Ângelo, viveu a grande crise e a evolução do vinho nacional na década de 90. Daniel justificou a antecipação por vontade pessoal e, também, estratégica. “O programa sucessório era de quatro anos, iniciado em 2016, mas percebi que a equipe estava pronta para enfrentar os desafios e levar a Salton nesta trajetória de superação e conquistas. Assim, resolvi antecipar a minha saída, mas dentro do plano. Sigo no apoio estratégico à frente do conselho, validando caminhos”, conclui Daniel.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

O Salmão do Dia das Mães!



Comemorar o Dia das Mães cozinhando para ela é um dos melhores presentes que se pode dar nesta data especial!

Domingo é o dia daquela que nos trouxe a este belo mundo, que puxou nossas orelhas quando preciso foi mas também nos afagou em momentos sofridos. Os ensinamentos e as lições de vida de nossas mães, carregamos para todo o sempre e frequentemente lembramos de seus curtos e diretos ensinamentos:
– Mãe, posso ir na festa do Fulano?
- Não!
- Mas todo mundo vai...
- Você não é “todo mundo”!
Para esta pessoa que teve a coragem e a força de criar-nos, além de uma salva de palmas e um abraço bem apertado, vale receber no almoço de domingo uma receitinha como esta a do Salmão do Dia das Mães




Ingredientes:
(para 4 pessoas)

Ingredientes

600 g de salmão cortado em fatias de cerca de 1cm de espessura
2 colheres de sopa de azeite de oliva
1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto
1 maço de radicci ou rúcula tipo baby
2 tomates italianos vermelhos sem sementes cortados em 4 partes
1 goiaba pequena branca sem sementes cortada em 4 partes
1 cebola roxa cortada ao meio e depois fatiada finamente
Suco de 1 limão
4 colheres de sopa de sementes de romã
1 colher de sopa de vinho tinto
1 pequeno ramo de salsinha
Pitadas de cominho em pó
Sal e pimenta do reino à gosto

Preparo:

Misture o azeite, o vinagre de vinho tinto e sal e pimenta e tempere as fatias de salmão. Adicione o suco de limão e deixe marinar por 15 minutos. Em uma tigela pequena, misture os tomates, a goiaba, a cebola roxa, o azeite e vinagre de vinho tinto, ajuste o tempero, se necessário. Em uma panela antiaderente e fogo alto, sele o salmão marinado por 45 segundos de cada lado. Arrume a salada no centro do prato. Coloque o salmão apenas saindo da salada. Decore com a salsinha e sirva!

Um feliz e adorável Dia das Mães!

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Colomé Lote Especial Tannat 2015 - um vinho sedutor!



Uva de origem francesa a Tannat encontrou no Uruguai um terroir fértil para se desenvolver e por conta disto assumir a condição de casta emblemática daquele país, sendo reconhecido mundo afora como o berço dos melhores Tannats do planeta! 

Por isso chamou-me muita atenção e despertou a minha curiosidade o vinho comentado desta semana, o Colomé Lote Especial Tannat 2015, produzido não no Uruguai mas na Argentina e não em altitude baixa, mas sim advindo de videiras plantadas a 1.700m acima do nível do mar e em solo bem diferente. E atesto que foi uma grata surpresa! Algumas características lembraram seu irmão uruguaio mas outras o deixaram com personalidade própria, afinal sim, são Tannats diferentes.

Apresentou cor rubi violáceo profundo quase turvo. Trouxe ao nariz após um início tímido – depois de uma hora de decantação – uma explosão de aromas elegantes e insinuantes: muitos frutos roxos em ampla palheta como amoras, cerejas, mirtilo, groselha e também violetas, alcaçuz, pimenta preta, tabaco, especiarias e funcho, com resquício final adocicado. Boca quente, salivante, traz fruta negra macerada, violetas, chocolate, taninos muito macios e redondos! Excelente retrogosto e ótima persistência!

Repousa 12 meses em barrica mas a madeira aparece completamente integrada a fruta e ao álcool.

Não há como falar deste vinho sem a companhia primeira de cortes de carne bovinos grelhados e suculentos na parrilla ou churrasqueira. Depois faz bom par com carnes de caça preparadas na panela, massas com molhos encorpados e queijos curados.  
    
Possui graduação alcoólica de 14,5% e o ideal é ser servido na temperatura de 16 a 18oC.

Um vinho rico, pleno e sedutor!

Você encontra os vinhos Colomé na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quarta-feira, 25 de abril de 2018

O crepe recheado com frutas da época


O crepe – esta delícia fácil de se fazer – tem origem na antiguidade há mais de 9.000 anos. Estas massas finas sempre estiveram presentes em muitas regiões principalmente na Europa. Dizem que a primeira receita de crepe teve origem na França, por volta de 1390 em um livro chamado Manger de Paris (Comida Parisiense). Por isso o crepe francês é sem sombra de dúvida o mais mundialmente conhecido. Na Europa os crepes se popularizaram muito e começaram a ter sua receitas aprimoradas e divulgadas através das “creperies”. Os crepes são massas finas, fritas levemente em manteiga em uma frigideira anti-aderente e que levam milhares de recheios, dos tradicionais  recheados com geleia, cremes, doces de massa, frutas e sorvetes aos salgados com recheio de carne, frango, legumes, frutos do mar entre outros. A seguir uma receita de Crepe recheado com frutas da época.


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

70 g de farinha de trigo integral
2 copos de leite desnatado
1 ovo
30 g de manteiga
50 g de amoras
50 g de mirtilos
50 g de morangos cortados ao meio
50g de pêras cortadas em cubinhos
50g de manga cortada em pedaços pequenos
50g de bergamotas sem pele e sementes picadas
50 g de açúcar
Uma colher de chá de mel
Uma colher de chá de suco de limão

Preparo:

Num recipiente misturar o leite e o ovo com um batedor de arame. Juntar a farinha integral peneirada e bater até obter um composto liso. Deixar a massa repousar por uma hora. Colocar o açúcar numa frigideira de bordas altas com meio copo de água, levar ao fogo e deixar o açúcar dissolver em fogo baixo. Mergulhar as frutas na calda e misturar delicadamente cozinhando por cerca de dez minutos. Juntar o mel e o limão, misturar e retirar do fogo deixando amornar. Untar com a manteiga o fundo de uma frigideira anti-aderente pequena e despejar nela uma concha rasa da massa para crepes. Girar a frigideira para distribuir a massa e levar ao fogo rapidamente virando para assar dos dois lados. Proceder um a um até acabar a massa. Rechear os crepes com as frutas em calda e dobra-los ao meio e novamente formando triângulos. Servir ainda quente decorado com hortelã.