quinta-feira, 22 de outubro de 2020

A salada grega!

      O Mediterrâneo e sua culinária fresca e aromática servem de inspiração a receita desta semana!

A gastronomia mediterrânea com sua proposta saudável, colorida, saborosa, aromática e criativa enche os olhos e fazem a boca salivar! Neste cesto encaixamos a cozinha grega com seu azeite de oliva e temperos frescos com quase nada de fritura e pratos gordurosos. O azeite é um dos ingredientes mais marcantes. Esta cultura alimentar grega já data de 5 mil anos e foi influenciada pela Itália, Turquia e Arábia. Além de muito azeite de oliva, é rica em peixes e frutos do mar, como marisco, polvo e lula, queijo feta, mel, iogurte e carnes de cordeiro, suína, cabras, ovelhas, cabritos, frango e coelhos, somente animais pequenos, porque a região não tem grandes espaços para criação de gado, sendo as carnes de boi raras. E as suas saladas são espetaculares, como esta de hoje, a Salada Grega!


Ingredientes:
 
1 pepino fatiado
16 tomatinhos cereja cortados ao meio
1 pimentão verde cortado em, pedaços de cerca 3 cm
1 cebola roxa cortada ao meio e fatiada
16 azeitonas pretas
150g de queijo feta
Hortelã fresco
 
Molho grego para temperar a salada:


4 colheres de sopa de azeite de oliva
2 colheres de sopa de vinagre de vinho tinto
1 colher de chá de mostarda tipo Dijon
1 dente de alho amassado
Orégano
Sal e pimenta preta moída na hora
 

Preparo:
 
Misturar bem os ingredientes do molho e levar a geladeira por 30 minutos. Juntar os ingredientes da salada numa vasilha e temperar com o molho. Salpicar com as folhas de hortelã e servir. 

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Brazil Wine Challenge 2020 é a maior da história do concurso


Maior da história porque reuniu 774 amostras (382 vinhos tintos, 218 espumantes, 158 vinhos brancos e rosés e 16 destilados e espirituosos) de 16 países, 27% mais que a edição anterior. Melhor porque devido à qualidade superior conferiu 237 Medalhas, sendo 21 Gran Ouro, ou seja, 21 rótulos que alcançaram 93 pontos ou mais. O 10º Brazil Wine Challenge, realizado pela Associação Brasileira de Enologia (ABE), de 13 a 15 de outubro, em Bento Gonçalves (RS), encerra mostrando ao mercado consumidor que, mesmo com o aumento do grau de rigidez do concurso, a qualidade dos vinhos e espumantes elaborados no mundo todo vem crescendo consideravelmente. Este é o único concurso realizado no Brasil com a chancela oficial da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) e da União Internacional de Enólogos.



“Quem ganha é o consumidor que a cada safra tem o privilégio de poder degustar vinhos e espumantes excelentes, de diferentes procedências”, destaca o presidente da ABE, enólogo Daniel Salvador. Entre os destaques, o Brasil lidera o número de Gran Ouro com 11 Medalhas – sete espumantes, três vinhos finos e um licoroso -, seguido pelo Chile com quatro, Portugal com três e Alemanha, Espanha e Uruguai com um Gran Ouro cada. Dos 237 prêmios, 135 foram para produtos brasileiros (57% do total de premiados), uma realidade comum nos concursos internacionais, por conta do país sede do evento sempre ter o maior número de amostras inscritas. Não houve Medalha de Prata pois os 30% melhor pontuados somaram nota equivalente a Ouro (89 a 92,9) ou Gran Ouro (acima de 93). “Mesmo aumentando o grau de rigidez, elevando as notas em relação a edição anterior, o nível foi elevado. Isso é resultado de melhorias na vitivinicultura, da profissionalização do setor no mundo todo”, afirma Salvador.


Seis júris deram a volta ao mundo pelos vinhos em 13 horas de degustações às cegas. De taça em taça, cada mesa degustou em média, por dia, 43 amostras. Sempre que uma amostra alcançava nota para um Gran Ouro o silêncio dava lugar às palmas do júri, um momento de celebração e alegria pela qualidade evidenciada na taça que foi compartilhado com todos.


PREMIAÇÕES - 21 Medalhas Gran Ouro e 216 Medalhas de Ouro

Espumantes – 68 – 28,7% das premiações

Vinhos tintos – 121 – 51,1%

Vinhos brancos e rosés – 39 – 16,4%

Outros – 9 – 3,8%

 

Países premiados:

 

África do Sul – 2 Ouro

Alemanha – 1 Gran Ouro e 1 Ouro

Argentina – 4 Ouro

Austrália – 1 Ouro

Bolívia – 3 Ouro

Brasil – 11 Gran Ouro e 124 Ouro

Chile – 4 Gran Ouro e 22 Ouro

Espanha – 1 Gran Ouro e 6 Ouro

França – 1 Ouro

Itália – 4 Ouro

Portugal – 3 Gran Ouro e 30 Ouro

Uruguai – 1 Gran Ouro e 18 Ouro

 

PAÍSES REPRESENTADOS POR AMOSTRAS (16) – África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Bolívia, Brasil, Bulgária, Chile, Espanha, Estados Unidos, França, Itália, Marrocos, Portugal e Uruguai

*fotos de Jeferson Soldi 

 

Piattelli Capricci Torrontés 2019


Um dos vinhos brancos que mais me agradam é o elaborado com a uva Torrontés. Esta casta tem na Argentina, no Vale do Cafayate em Salta, um berço esplêndido para o desenvolvimento de sua plena tipicidade.  É tida como uma descencente da Malvasia italiana. Apresenta insinuantes aromas florais, acidez e refrescância em boca. Torrontés é a única cepa considerada nativa da Argentina e praticamente todos os vinhos produzidos no mundo são desse país, com pequena representatividade no Chile, no Peru, no Uruguai, na Califórnia e na Nova Zelândia. Estima-se que tenha surgido entre o final do século 18 e o início do século 19, tendo sido batizada com esse nome em meados do século 19. A palavra Torrontés vem de enxurrada atribuido a sua “chuva de surpreendentes aromas”. 

O Piattelli Capricci Torrontés 2019 vem lá de Cafayate e expressa o que esta uva fornece a quem bebe seu vinho: coloração palha clara claro e reflexos esverdeados muito límpida, tradicionais aromas florais (flor de laranjeira, gerânio e jasmim), também frutas brancas frescas (carambola, pêssego, maçã, abacaxi) e boca expressiva, fresco, cítrico e vibrante, repetindo os aromas, com ótima acidez e final.

Este vinho combina muito bem na harmonização com alimentos picantes e condimentados como frutos do mar à provençal, lulas à dore, camarão empanado com pimenta, salmão e outros peixes de sabor marcante,  risoto com ervas finas e queijos leves.

Possui 14,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 8 a 10oC.

Você encontra os vinhos Torrontés na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, tele entrega pelo (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA! 

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

O medalhão de filé ao molho de gorgonzola!

 Que prazer dá saborear um belo prato de filé mignon ainda mais com molho de queijo azul!

O principal segredo no preparo do filé mignom – seja qual for este preparo – está no ponto da carne, Esta dica pode levar o cozinheiro do céu ao inferno transformando uma carne nobre em comum se ficar muito passada. Este corte é magro e tenro e combina maravilhosamente bem com molhos encorpados e na parceria de batatas, risotos e legumes. A receita de hoje foi elaborada pelo meticuloso chef Mauro Souza, que já foi responsável pelas panelas do restaurante do Hotel Sheraton em Porto Alegre e outros tantos. O sabor marcante do queijo gorgonzola acompanha muito bem a suculência do filé, servido ao ponto e com leve tempero de pimenta, sal e alho. Acompanhe o Medalhão de Filé ao Molho de Gorgonzola com Risoto de Tomates Secos e Rúcula!

 


Ingredientes:
(porção individual)
 
100 ml de vinho branco
10 g de cebola
200 g de filé mignon (para dois medalhões)
100 g de arroz arbóreo
100 g de tomate seco
10 und. de folhas de rúcula
5 g de açafrão
50 g de queijo parmesão ralado
Sal, pimenta e alho à gosto
 
Para o Molho:
 
100 g de queijo gorgonzola
50 g de creme de leite 
Caldo de carne a gosto

Preparo:

Tempere os medalhões de filé com sal e pimenta e um pouco de alho e então grelhe-os e reserve. Faça um pouco de caldo de frango e reserve. Coloque o alho e a cebola para dourar com um pouco de óleo. Em seguida refogue o arroz arbóreo e vá acrescentando o vinho branco alternando com o caldo de frango. Quando o arroz estiver quase no ponto coloque o açafrão e o tomate seco. Deixe para colocar a rúcula por último. Para o molho, rale o queijo gorgonzola e acrescente o creme de leite junto com um pouco de caldo de carne. Tempere com sal e pimenta. Para a montagem do prato, coloque o risoto no meio do prato e os medalhões de filé em cima do risoto. O molho vai sobre os medalhões. Decore a gosto!

 

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Pizzato Alicante Bouschet Reserva 2018 - a elegância brasileira nesta casta francesa!

 

A uva Alicante Bouschet tem origem francesa na segunda metade do século XIX e foi desenvolvida a partir da mistura das uvas Petit Bouschet e Grenache mas foi na Espanha e em Portugal onde ganhou notoriedade e mercado. A Alicante Bouschet produz vinhos tintos escuros e profundos, frescos, com notas que remetem a especiarias, como canela e pimenta. Também é cultivada na Califórnia (EUA); no leste europeu; Austrália e inclusive no Brasil. E é da Serra Gaúcha, de Bento Gonçalves, que vêm o vinho comentado da semana: o Pizzato Alicante Bouschet Reserva 2018, único varietal comercial elaborado com esta casta.   

Este vinho logo chama atenção ao ser aberto e levado a taça, sua cor é rubi violáceo escuro e turvo (a Alicante Bouschet é uma das poucas uvas tintas em que a polpa também é escura). Os aromas trazem um palheta olfativa recheada de frutas negras (amoras em destaque) e fruta vermelha silvestre, herbáceo (funcho e eucalipto), floral (hibiscos), pimenta e toque terroso além de defumado. Após cerca de uma hora no decanter os aromas afinam com a aeração. Mas o melhor deste vinho está no paladar! Em boca é potente, carnudo, frutado, seco e salivante, possui taninos de personalidade, estruturado e complexo. Acidez destacada que pede comida e amplo final.

Amadurecimento em barris de carvalho francês de primeiro e segundo por 10 meses.

A harmonização ideal é com carnes vermelhas com gordura, carnes de caça e de cordeiro, mocotó, vaca atolada, galinhada e queijos de cura pois os seus taninos contrastam com a gordura dos pratos.

Possui 13,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura de 18oC.

Você encontra os vinhos da Pizzato na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665, tele entrega pelo (51) 98416.6407 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Sagatiba lança a primeira cápsula de caipirinha do mundo em parceria com a B. blend

O tradicional drink de sabor limão entra com exclusividade no portfólio da B.blend


A B.blend, primeira plataforma de bebidas em cápsulas all.in.one do mundo lançou, na semana passada, mais um sabor de drink alcoólico em parceria com a cachaça Sagatiba, ganhadora de mais de 10 prêmios nacionais e internacionais. Juntas, as marcas desenvolveram a primeira versão em cápsula do drink favorito do brasileiro: a caipirinha de limão. Refrescante e leve, a novidade estará disponível exclusivamente no portfólio da B.blend, joint-venture formada pela Whirlpool e Ambev.

A bebida, perfeita para acompanhar a tradicional feijoada, agora pode ser feita em qualquer lugar, de forma prática e inovadora. Basta inserir a cápsula na máquina da B.blend e apertar o "play". Por meio de um código, a tecnologia permitirá a identificação automática da receita. Em segundos, a mistura é preparada e cai no copo do consumidor na temperatura ideal. É a brasileiríssima caipirinha disponível ao toque de um botão!

O CEO da B.blend, Eduardo Salles acredita que a parceria com a Sagatiba é muito importante para reforçar o mercado de cápsulas de bebidas alcóolicas. "A cápsula de caipirinha é um lançamento inédito no mercado mundial, pela primeira vez, uma marca irá encapsular este drink tradicionalmente brasileiro. Com a cachaça Sagatiba como parceira, o sabor procura seguir o de uma caipirinha e deve agradar seus consumidores. Este lançamento amplia ainda mais nosso portfólio de drinks alcoólicos e reforça nossa aposta no segmento, trazendo sempre sabores do paladar dos nossos consumidores" afirma o executivo.

Daniela Paula, diretora de marketing do Campari Group Brasil, concorda: "Estamos muito felizes com essa parceria. Ser a primeira caipirinha encapsulada reflete o pioneirismo de Sagatiba e reforça sua missão de revolucionar a categoria com sofisticação e qualidade".

O lançamento amplia a linha de bebidas disponíveis na máquina B.blend, que já soma mais de 30 sabores, entre eles o Guaraná Antarctica, Pepsi, Sukita e Soda; sucos 100% naturais; água de coco, néctares e chás gelados como Feel Good. Entre os drinks alcoólicos estão Gin & Tonic, Orange Spritz, Skol Beats Senses e Moscow Mule. Além disso, o portfólio conta, ainda, com energy drinks como Fusion e Fusion Zero; chocolate quente e gelado, além do Cappuccino Suplicy.

ONDE ENCONTRAR:

Loja On-line: http://www.bblend.com.br/

Compras via WhatsApp: (11) 93343-0190

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

O yakisoba!

 

Nascido na China e popularizado no Japão, a mistura de legumes e macarrão é uma delícia!

O yakisoba é um prato saboroso e divertido de preparar. E uma ótima maneira de fazer aquelas crianças mais teimosas comerem legumes. A palavra yakisoba vem de “yaki” (assar) e “soba” (macarrão) significando literalmente é “macarrão frito”. A origem deste prato remonta entre os séculos XVII e XIX na China. Mas foi somente no século XX, logo após o final da Segunda Guerra Mundial, que o prato chamado chao men ganhou uma nova versão e se popularizou no Japão. Na época, por ser um alimento prático e barato, ele era capaz de satisfazer a fome do povo quando era necessário fazer o racionamento de alimentos (misturava-se bastante repolho picado ao macarrão chinês, cozido no vapor e depois era temperado com um molho de soja). E é esta receita que estampamos hoje na receita da semana, o delicioso yakisoba!



Ingredientes:

(para 4 pessoas)

  •  
  • 500 g de macarrão para yakisoba cozido "al dente"
  • 2 colheres de chá de óleo
  • 300 g de carne bovina macia cortada em iscas
  • 1 pimentão vermelho pequeno cortado em quadrados pequenos
  • 1 cenoura pequena cortada em palitos finos
  • 4 folhas de repolho cortado em quadrados
  • 1 brócolis cortado em ramos menores
  • 5 ervilhas-tortas cortadas em partes iguais
  • 4 colheres de sopa de shoyu
  • Meia xícara de chá de água
  • 1 colher de sopa de amido de milho
  • Pimenta a gosto

 

Preparo:

Em uma panela grande, coloque o óleo e leve ao fogo alto para aquecer. Junte a carne e frite até dourar. Acrescente o pimentão e a cenoura, e refogue por 2 minutos. Adicione o repolho, os brócolis, a ervilha-torta, o shoyu e 2 colheres de sopa da água, e deixe cozinhar em fogo médio, com a panela semitampada até o repolho murchar. A parte cozinhe o macarrão. Junte o amido de milho já dissolvido na água restante e cozinhe por cerca de 3 minutos. Retire do fogo, junte o macarrão, mexa bem e sirva em seguida.