quinta-feira, 19 de setembro de 2019

O espinhaço de ovelha com aipim!


Neste 20 de setembro, que tal uma típica receita farroupilha para comemorar a data?

Os gaúchos comemoram hoje os 184 anos da Revolução Farroupilha, que foi o mais longo conflito armado deflagrado dentro do território brasileiro pois durou de 1835 a 1845. Comandados por Bento Gonçalves as tropas farroupilhas tomaram Porto Alegre, capital da província do Rio Grande do Sul. Em 1836 foi proclamada a República Rio-Grandense que separou o Rio Grande do Sul do resto do país. Neste amplo contexto inserem-se as origens da culinária gaúcha composta por uma mescla de tradições e costumes das etnias indígena, portuguesa, espanhola, africana, alemã e italiana. O charque, primeiro produto da indústria regional e estopim da Revolução, é outro tempero desse banquete histórico já tratado neste espaço em várias ocasiões. O Rio Grande do Sul no frio de seu inverno congelante somente uma alimentação rica em calorias preparada nos galpões pela peonada da lida do gado, repletas de carnes gordas, carreteiros bem fortes e sopas quentes, davam ânimo para enfrentar um frio tão intenso. É neste ambiente que nascem o churrasco, o arroz carreteiro, o feijão mexido, o quibebe, o charque com mandioca, a paçoca de pinhão com carne assada, a couve refogada, o arroz com galinha, o puchero além de algumas caças como perdizes, patos, cutia e capincho. Nas estâncias a criação de ovelhas para produção de leite, lã e carne era abundante e é deste animal que preparava-se o espinhaço de ovelha com aipim juntando-se a este rol de delícias farroupilhas e cuja receita segue abaixo!   


Ingredientes:
(para 8 pessoas)

1 espinhaço de ovelha de 2 kg fatiado
1 kg de aipim
3 tomates
4 cebolas
3 dentes de alho
1 taça de vinho tinto
Óleo
Sal ou tempero pronto com pimenta

Preparo:

Coloque o aipim para ferver numa panela com água e sal. Tempere a carne de ovelha com sal ou tempero pronto com pimenta e começa a fritar. É importante selar bem. Depois que terminar de fritar a carne, reserve-a em um recipiente e prepare o molho na mesma panela. Ponha o alho e a cebola e deixe dourar bem. Quando a cebola estiver macia, acrescente a carne já selada, misturando. Adicione os tomates e a medida de uma taça de vinho tinto. Cozinhe até desmanchar os temperos. Se necessário adicione um pouco de água ao cozimento. Em seguida, junte o aipim à carne e ao molho e mexa com cuidado para não desmanchar o aipim. O toque final é o temperinho verde e a cebolinha. Acompanhe com quibebe e arroz branco.

Você sabia?



Antigamente, o atual território do Rio Grande do Sul era habitado por tribos de índios: os guaranis, que viviam da caça e da pesca e ocupavam as margens da lagoa dos Patos, o litoral norte e as bacias dos rios Jacuí e Ibicuí incluindo a região noroeste; os pampeanos, que ocupavam a região sul e sudoeste e os jês, talvez os mais antigos habitantes no lado oriental do rio Uruguai. Como tentativa de retirar os índios da mata para poder catequizá-los, os jesuítas introduziram no Estado o gado. Os índios passaram então a tomar conta do rebanho, que era criado solto, e comer sua carne tendo sempre farta comida a sua disposição e em troca aprendiam com os jesuítas a cultura europeia e construíam casas, surgiram assim as Missões. Com a entrada dos tropeiros de São Paulo e Minas Gerais no Sul, os índios foram caçados e levados como escravos e os jesuítas voltaram para a Europa. O gado, como era criado solto, continuou a se reproduzir e se espalhar pelo sul do continente, pois não havia um predador para caçá-lo.  Quando os tropeiros voltaram para o Rio Grande do Sul havia milhares desses animais, o gado selvagem. Começaram, então, a matá-los para extrair-lhes o couro cru, que era levado e vendido nos outros Estados. Para conservarem a carne que sobrava e a usarem como alimento em suas longas viagens, os tropeiros começaram a conservá-la rolando-a em sal grosso para desidratá-la, surgindo assim, o charque.  

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Jantar harmonizado de setembro na Weinhaus




Será servido e acompanhado o seguinte menu e vinhos: salada mix de verdes, lascas de salmão e balsâmico de frutas vermelhas com vinhos Santos da Casa Alvarinho Reserva e Apaltagua Rose Carmenere Reserva Especial; risoto de carne seca e tomate seco com Apaltagua Pinot Noir Reserva Especial e Santos da Casa Colheita DOC, entrecot na parrilla ao molho de vinho e purê de mandioquinha com Apaltagua Signature Cabernet Sauvignon, Apaltagua Gran Reserva Envero e Santos da Casa Reserva e de sobremesa crepe de laranja com doce de leite com licor Arancello Casa De Zorzi. 

Os convites já estão à venda na loja e as vagas são limitadas! 

Garanta seu ingresso! Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 51.3711-3665 e e-mail weinhaus@weinhaus.com.br


segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Ponto Nero Cult Brut SO2 Free - um espumante natureba e delicioso!


SO2 significa dióxido de enxofre e é usado para a elaboração de vinhos, pois entre seus adjetivos está a facilidade de emprego e o baixo custo. Possui atividade antioxidante evitando entre outras coisas o escurecimento do vinho.  Além desta proteção enzimática, o SO2 reage fortemente com o oxigênio preservando assim a qualidade geral e a longevidade dos vinhos evitando também seu avinagramento. No Brasil é admitido como máximo um teor de 350 mg/L de SO2 total. Os valores médios usados pelos enólogos brasileiros médios ficam em torno de 100 mg/L, ou seja absolutamente abaixo do limite. O uso do SO2 é combatido ferrenhamente pelos simpatizantes dos vinhos naturais por considera-lo uma intervenção desnecessária. 

O fato é que o primeiro espumante brasileiro livre deste conservante é o Ponto Nero Cult Brut SO2 Free (leia-se empresa do Grupo Valduga), elaborado com uvas 100% Chardonnay apresenta cor palha,  límpido e brilhante, com perlage fino e persistente. Traz aromas cítricos de abacaxi, pera, maçã e pomelo, fresco e mineral. Boca leve, boa cremosidade, com boa acidez e persistência.   

O espumante fica 4 meses em autólise.  

Acompanha canapés, saladas, alguns risotos além de preparos com frutos do mar.

Possui 11 % de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 4 e 6oC.

Você encontra os espumantes Ponto Nero na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br.

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

O risoto de cogumelos!


Ingredientes frescos trazem novos aromas e sabores a uma receita!

Em se tratando de cozinha aprendemos depois de alguns anos dedicados às artes das panelas que - assim como na moda - o pouco é muito. Outro amadurecimento que vai-se tendo é que nada substitui o aroma e o sabor de ingredientes frescos, seja carne ou fruto do mar, ou legumes, ou temperos e ervas. Talvez esteja aí a essência da culinária, o resgate do sabor e a atenção aos pequenos detalhes que fazem toda a diferença na criação ou elaboração de uma receita. Pensando nisso é que surgiu a receita desta semana, que leva três tipos de cogumelos frescos numa explosão de sabores à mesa. Confira o Risoto de Cogumelos!


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

2 xícaras de arroz arbóreo ou carnaroli
2 colheres de manteiga
Uma cebola picadinha
Um dente de alho picadinho
Uma taça de vinho branco seco
100g de cogumelo Portobello
100g de cogumelo shitake
100g de cogumelo shimeji
30g de cogumelos desidratados
4 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
4 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
Salsinha fresca picadinha

Preparo:

Hidrate o cogumelo seco com cerca de 500ml de água quente. Deixe por cerca de 30 minutos. Depois retire o cogumelo e pique-o mas reserve a água que hidratou para aproveitar no risoto, Aqueça numa panela manteiga e azeite de oliva e junte a cebola e o alho, refogando em fogo médio. Quando dourar, juntar os cogumelos fatiados ou picados e refogar por um minuto. Somar o arroz e mexer com os ingredientes. Juntar o vinho, cozinhando até evaporar parte do líquido. Aos poucos, ir adicionando a água da hidratação dos cogumelos aquecida, concha por concha, mantendo encharcado o preparo. Adicionar pimenta preta e corrigir o sal. Cozinhar por cerca de 20 a 25 minutos para que o arroz fique “al dente”. Desligar o fogo e juntar a manteiga e o queijo parmesão. Misturar bem, tampar a panela e deixar descansar por aproximadamente três minutos, o que finalizará o cozimento do arroz. Servir o risoto em seguida regando com um generoso fio de azeite de oliva e coma salsinha picada.


terça-feira, 10 de setembro de 2019

Kurotel em Gramado promove setembro gastronômico


As experiências saudáveis e inovadoras vão aguçar os sentidos e aflorar as percepções gastronômicas de todos


O Kurotel – Centro Contemporâneo de Saúde e Bem-Estar, localizado em Gramado, no Rio Grande do Sul, está preparando deliciosas surpresas para compor o cardápio de seus hóspedes. A série de Jantares Gastronômicos trará em setembro uma agenda repleta de inovação e sabor, repetindo o sucesso do último mês, quando foi promovido o primeiro Jantar Contemporâneo no Kur.

Eleito pelo quinto ano consecutivo como o “Melhor Destino de Wellness do Brasil e América Latina” pelo World Luxury Spa Award, o Kurotel reúne características de uma clínica, spa e hotel, além de contar com acomodações e serviços de luxo. Com a missão de estimular as pessoas a se comprometer com um estilo de vida mais saudável, longevo e sustentável, aliando boa alimentação ao prazer do bem servir, a cozinha do Kur está preparando para este mês:
  • 05/9 – Jantar harmonizado com Chás
  • 12/9 – Jantar Contemporâneo – uma experiência
  • 19/9 – Jantar no Sítio
  • 24/9 – Almoço de Abertura da Primavera – Jardins Kur
  • 26/9 – Noite de Frutos do Mar
“Em agosto, propusemos aos nossos hóspedes participar de um de nossos projetos inovadores, o Jantar Contemporâneo. Inusitado e com materiais pouco convencionais, os ingredientes foram apresentados de forma que os participantes pudessem combinar, testar e descobrir sabores em um mesmo prato e até transformá-los em uma obra de arte. A experiência, saudável e surpreendente, aguçou os sentidos e aflorou as percepções gastronômicas e artísticas de todos. Foi incrível e queremos repetir este mês”, comemora Rochele Silveira, diretora do Kurotel.

Informações e reservas:

Planos de 04, 07 e 14 dias ou final de semana (02 dias), além de Day Spa.
Condições especiais para programações fechadas com antecedência.
0800-9709800; 55 (54) 3295-9393 - reservas@kurotel.com.br - www.kurotel.com.br/


O Kurotel: 


Com quase quatro décadas, o Kurotel - Centro Contemporâneo de Saúde e Bem-Estar, de Gramado (RS) engloba um variado portfólio de serviços focados na promoção da saúde e do bem-estar, estimulando as pessoas a se comprometerem com um estilo de vida mais saudável, longevo e sustentável. Membro do Healing Hotels of the World, eleito como “Melhor Centro Médico das Américas” por cinco anos consecutivos pelo World Luxury Spa Award , é também creditado pela Wellness for Cancer como um dos mais completos centros de tratamento pós-câncer na área de Spas. Possui diversas modalidades de planos, como o Fit, Detox, Lonvege, Relax, entre outros, em que os clientes podem escolher conforme seus objetivos e necessidades. Também oferece a possibilidade de hospedagem personalizada e Day Spa.         

* foto by Matias Lorenzoni

Ruca Malen Reserva de Bodega 2012


O vinho comentado desta semana é o tinto argentino Ruca Malen Reserva de Bodega 2012, um blend de Malbec (39%), Cabernet Sauvignon (25%), Syrah (18%) e Petit Verdot (18%) cultivados em vinhedos acima dos mil metros de altitude localizados nos vales do Uco, Lujan de Cuyo e Tupungato, em Mendoza. As variedades tiveram a fermentação malolática individual em barricas e ao final o blend foi reunido para descansar 1 ano em barricas de segundo e terceiro uso de carvalho francês (80%) e americano (20%).   
  
Possui destacada cor rubi profunda e lágrimas densas e chorosas. Palheta de aromas ampla e frutada – amoras, mirtilos e cerejas – também frutas desidratadas, amêndoas, caramelo e mentol.  Boca volumosa com taninos redondos e suculentos, com ótima persistência.

Acompanha carnes vermelhas assadas, carnes de caça, massas com molhos condimentados e queijo de média cura.

Possui 14,2 % de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos Ruca Malen na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br.

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

O virado à paulista!


Eis que uma receita pode ter dado origem a Independência do Brasil!

Amanhã se comemora mais um 7 de setembro, dia da Independência do Brasil! Naquele período histórico muitas coisas aconteciam no Brasil-Colônia que levaram ao ápice as aspirações revolucionárias que romperam os elos dos conquistadores portugueses. Como em toda a conspiração muitas histórias e suposições emergiram dando ainda mais café naquele bule. Uma delas refere-se a Marquesa de Santos e Dom Pedro I, sabe-se amantes lascivos tanto na carne quanto na boa mesa! 
O brilhante jornalista JA Dias Lopes falou um pouco deste envolvimento de corpos&garfos em alguns de seus artigos. O que sabe-se é que Domitila de Castro Canto e Melo, a Marquesa de Santos, foi sinônimo da liberação sexual e de livre arbítrio, mas também de caridade e cuidados junto aos mais pobres. Tal emblemática protagonista conheceu Dom Pedro em São Paulo no ano em que o príncipe regente proclamou a Independência do Brasil. Tal fogoso relacionamento durou de 1822 a 1829 e gerou cinco filhos, mas a marquesa nunca se livrou do status de amante oficial frustrando suas ambições monárquicas. Era conhecida por seu notório apreço pela boa mesa e pelos bons vinhos e - segundo o historiador Paulo Rezzutti - era comum haver na mesa da época pratos de feijão, toucinho fresco, linguiça defumada, torresmo, carne de porco, couve e farinha. E justo eram os ingredientes de uma das receitas mais populares da cozinha paulistana, o virado à paulista. Dizem que tal prato alimentou Dom Pedro I na viagem que fez a cavalo do Rio de Janeiro a São Paulo, quando proclamou a Independência do Brasil e se enamorou da Marquesa de Santos. Que tal? A seguir a receita do Virado à Paulista.        


Ingredientes:
(para 6 pessoas)

3 colheres de sopa de farinha de milho
1 colher de sopa de farinha de mandioca
4 conchas de feijão cozido com o caldo
50g de bacon cortado em cubinhos
3 dentes de alho picados
1 cebola pequena bem picada
Pimenta-do-reino moída na hora a gosto
6 bistequinhas de porco grelhadas
3 gomos de linguiça fritos
2 maços de couve cortados finamente e passados rapidamente na frigideira
6 ovos fritos
100g de tiras de bacon fritas (ou torresmo)
Arroz branco

Preparo:

Misture as duas farinhas e umedeça-as um pouco com as mãos molhadas. Reserve. Bata, no liquidificador, metade do feijão cozido com o caldo. Reserve. Frite o bacon até ficar dourado, adicione o alho e também deixe dourar. Em seguida, refogue a cebola. Na mesma panela, agregue o feijão batido e a outra metade com os grãos inteiros. Deixe ferver e adicione aos poucos as farinhas, mexendo sem parar, até dar o ponto de pasta bem mole (depois de amornar, ela engrossa muito). Salpique a pimenta-do-reino. Sirva com os ingredientes do acompanhamento (bisteca, linguiça, couve, ovos, bacon e arroz).



terça-feira, 3 de setembro de 2019

Pizzato Verve Gran Reserva 2015 - que belo blend!


Provei há alguns anos o Pizzato Verve Gran Reserva 2009, elaborado pela vinícola de mesmo nome capitaneado por Flávio Pizzato e fincada no Vale dos Vinhedos na Serra Gaúcha. Desta vez abri o mesmo vinho mas da safra 2015 e foi muito interessante tecer a análise sobre o mesmo, embasado nas características apresentadas em taça. O Pizzato Verve Gran Reserva 2015 teve produção limitada a apenas 2675 garrafas e é oriundo de um corte de 60% Cabernet Sauvignon, 25% Merlot e 15% Tannat amadurecido por 11 meses em barricas de carvalho francês e americano de primeiro e segundo uso.

O vinho apresenta coloração rubi profundo e surpreende o nariz ao pronunciar aromas que trazem frutas vermelhas e negras - cereja, groselha, mirtilo – envolvidos em alcaçuz, hibiscos, toque terroso, couro, café tostado e alguma especiaria.

Em boca ótimo corpo, equilibrado, estruturado, taninos macios e presentes, final de boca amplo e duradouro. Harmonia entre álcool, fruta e madeira.  

Ou seja, continua sendo um excelente vinho elaborado com muito cuidado e esmero, diferenciando-se do 2009 nas características da safra de cada um dos cortes aportados. 

Faz belo par na companhia de carnes grelhadas, pratos ou acompanhamentos à base de molhos doces (chutneys, barbecue entre outros); carnes de panela, queijos duros e carnes de caça.

Possui 13,5 % de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos Pizzato na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br.

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

O frango a parmegiana!



Parece uma receita italiana, mas não é!

O Filé a Parmegiana não nasceu na Itália como poderia se imaginar, mas sim em São Paulo! Não se sabe ao certo quem foi o autor, mas ocupava as mesas dos descendentes de imigrantes italianos que por lá residiam.  Na Itália originário da cidade de Parma podemos encontrar ou o cotoletta alla milanese (bife à milanesa) ou a parmigiana di melanzane (berinjela à parmegiana) mas não os dois juntos como criado por aqui, dispensada a berinjela. O bife pode ser bovino, suíno ou de frango, os mais comuns no preparo deste delicioso prato.  O termo parmegiana significa “cozinhar à maneira de Parma”. Abaixo segue a receita do Frango a Parmegiana.


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

1kg de filés de peito de frango
2 ovos batidos
1 dente de alho picado
2 colheres de sopa de salsa picada
1 xícara de farinha de rosca
1 xícara de farinha de trigo
Meia xícara de queijo parmesão ralado
750ml de molho de tomate caseiro com preparo a gosto
200g de queijo muçarela fatiado
Sal e pimenta para temperar
Óleo para fritar

Preparo:

Tempere os filés de frango com o alho picado, sal e pimenta-do-reino. Coloque a farinha de trigo em um prato, a farinha de rosca em outro prato e os ovos batidos em um terceiro. Passe os filés de frango primeiro na farinha de trigo, depois nos ovos e, por último, na farinha de rosca. Frite os filés de frango empanados em uma frigideira com óleo até ficarem dourados dos dois lados. Em seguida, remova o excesso de óleo colocando os filés em folhas de papel-toalha. Coloque os filés em um refratário, cubra com um pouco de muçarela o molho de tomate, o queijo parmesão ralado e leve para assar em forno preaquecido a 200oC por cerca de 20 minutos. Sirva acompanhado de arroz branco!


quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Inscrições para o público na Avaliação Nacional de Vinhos abrem dia 4 de setembro


Maior degustação de vinhos do mundo é no Brasil e atrai mil apreciadores



Às 9h do dia 4 de setembro será dada a largada para centenas de apreciadores de vinhos que desejam viver uma das experiências mais incríveis do mundo: a Avaliação Nacional de Vinhos. Basta acessar www.enologia.org.br e fazer a inscrição. Não é necessário ser um conhecedor de vinhos, apenas apreciar a bebida. Tanto é que o evento reúne enólogos, sommeliers, empresários e lideranças do setor, mas também leigos no assunto. O encontro será no dia 28 de setembro, no Pavilhão E do Parque de Eventos de Bento Gonçalves.

Em sua 27ª edição, a Avaliação, considerada a maior degustação de vinhos de uma safra do mundo, registra 338 amostras inscritas por 47 vinícolas de oito regiões produtoras brasileiras dos estados da Bahia, Minas Gerais, Santa Catarina, São Paulo e Rio Grande do Sul. No encontro, serão conhecidos os 30% mais representativos da Safra 2019 e o público terá o privilégio de degustar 16 amostras selecionadas para o grande momento do vinho brasileiro.
O presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE) – entidade promotora -, enólogo Daniel Salvador, chama a atenção para que os interessados fiquem atentos a data, pois a procura é grande e historicamente as vagas se encerram ainda no primeiro dia. “A Avaliação é muito disputada, sendo encontro e reencontro de amigos do vinho”, destaca.
São mais de 8 horas de evento, entre abertura, degustação e comentários, homenagens, prova de espumantes e almoço. Um encontro também de aprendizado e confraternização.

Etapa por etapa
O evento mais concorrido do Brasil pelos apreciadores de vinhos começou ainda em junho, com a inscrição das amostras pelas vinícolas. No mês seguinte, técnicos da ABE e da Embrapa Uva e Vinho, percorreram o Brasil para coletar os vinhos diretamente dos tanques de aço inox. Teve amostra que chegou a percorrer 3 mil quilômetros para chegar na Capital Brasileira do Vinho. Amostras recolhidas, a terceira etapa foi degustar e avaliar cada vinho. Este trabalho está sendo realizado de 27 de agosto a 5 de setembro por 120 enólogos.

O resultado será divulgado no dia 28 de setembro, quando será anunciada a relação dos 30% mais representativos, ou seja, 102 amostras, diante das 338 inscritas por 47 vinícolas de oito regiões produtoras brasileiras. O público poderá degustar 16 amostras selecionadas entre os 30%, provando a representatividade da Safra 2019.

O investimento para associado é de R$ 300. Não associados pagam R$ 390.

O EVENTO

O que? 27ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2019
Número de amostras: 338 amostras
Vinícolas: 47
Regiões e estados: Vale do São Francisco (BA), Sul de Minas (MG), Leste de São Paulo (SP), Planalto Catarinense (SC) e no RS a Serra Gaúcha, Campanha, Serra do Sudeste e Campos de Cima da Serra.
Etapas: inscrições de amostras pelas vinícolas (junho), coleta das amostras (julho e agosto), Degustação de Seleção (27 de agosto a 5 de setembro)
Data do evento final? 28 de setembro de 2019
Inscrições para apreciadores: a partir das 9h do dia 4 de setembro pelo site www.enologia.org.br
Promoção: Associação Brasileira de Enologia – ABE

*foto by Jeferson Soldi

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Los Pasos Red Blend 2018 - vale quanto pesa!


A Bodegas Séptima e sua joint-venture com a Codorniú produzem em Mendoza, Argentina, este bom, barato e digno vinho, o Los Pasos Red Blend 2018, um corte que leva Bonarda e Syrah e que se destaca pelo tanto de aroma e paladar que entrega, um achado!

Possui linda cor rubi muito brilhante e ostensivo. Ao nariz revela aromas frutados e florais florais - morango, cerejas, amoras, violetas e alcaçuz – além de notas herbáceas. Em boca é redondo, elegante, polido, com taninos suaves, corpo médio e amplo final.  Um vinho pronto e que vale cada centavo de sua compra!

Não passa em barricas de carvalho.
Faz ótimo par com cozidos de carne e legumes, carnes vermelhas na brasa, alguns embutidos e massas com molhos de media estrutura.

Possui 13% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 16oC.

Você encontra os vinhos Los Pasos na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br.

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

O enólogo que nasceu para ser vinho!


Fundador da Vinícola Almaúnica esteve em Santa Cruz a convite da Confraria do Sagu!
 
Márcio Brandelli apresentou seus vinhos e contou um pouco de sua história
Era uma tarde de sábado lá em 2010. Já tinha ouvido falar numa nova vinícola fincada no Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves construída sob arquitetura inovadora e elegante e capitaneada por um inquieto enólogo e sua irmã advindos de uma tradicional família enológica. Pois na chegada a Vinícola Almaúnica fui recepcionado por este empolgado enólogo, Márcio Brandelli, o qual mostrou-me suas instalações e os vinhos que começava a vinificar. De lá para cá a Almaúnica cresceu, aumentou o seu portfólio de produtos, ganhou prêmios, tomou corpo e atingiu um novo estágio. E seu fundador, Márcio, esteve em Santa Cruz do Sul como convidado no encontro da Confraria do Sagu – confraria especializada na análise técnica de vinhos – e mostrou um pouco do que vem fazendo em prol do desenvolvimento do vinho brasileiro. A inquietude, a sagacidade e a empolgação continuam a mesma de quando o conheci e, autêntico como sempre, apresentou-nos a sua linha de vinhos e também algumas novidades que chegarão ao mercado em breve. O pai dos pequenos Bernardo e Manuela é dono de uma conversa franca e bem-humorada e concedeu esta entrevista exclusiva a Gazeta do Sul e blog Eu, Gourmet cujo conteúdo você acompanha daqui para frente.             

Eu, Gourmet: Por que Almaúnica?
Márcio Brandelli: Porque cada vinho é elaborado com alma e cada garrafa é única. Em 2008 eu e Magda, minha irmã e sócia, montamos este projeto pois tínhamos um sonho de fazer o próprio vinho com liberdade. Estamos fincados no Vale dos Vinhedos onde temos 60% das videiras mas também 30% em Encruzilhada do Sul e 10% em Quaraí.

Vinícola Almaúnica está cravada no Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves
Seus vinhos são reconhecidos pela qualidade e fino manejo. Como você agrega estas características aos vinhos que elabora?
Sou muito detalhista em todos os processos, desde o vinhedo ao engarrafamento. Gosto de resultados positivos e penso sempre no consumidor cada vez mais exigente. É nisso que miro cada um dos 14 rótulos Almaúnica que já elaborei. Para extrair o melhor destas parcela de vinhas lidamos com manejo no vinhedo, buscando rendimentos baixos e cultivando as variedades corretas e arriscando no ponto de colheita até seu índice de alta maturação.

É possível produzir vinhos de alta qualidade no Brasil?
Sim. O produtor tem que focar em resultados de alto nível, custe o que custar, haja o que houver, e ter muita paciência. É assim no mundo todo. Com profissionalismo e buscando o melhor vinho para cada região, com foco em qualidade e não só em retorno financeiro o Brasil - e em especial o RS – pode melhorar ainda mais e muito seus vinhos. Acredito neste contexto de região produtiva que a Campanha Gaúcha tem um potencial enorme a ser explorado.  
 
Vinícola conta com uma ampla linha de vinhos
Você é um enólogo que aposta em variedades não tão usuais no âmbito gaúcho ao menos quando iniciou a produção, tais como Syrah, Malbec. Fale destas castas produzidas pela Almaúnica e o porquê de cultivá-las.
Duas variedades espetaculares. Amadurecem bem, com grande potencial de cor e taninos, porém macios e aveludados. A variedade Syrah, fomos pioneiros no Vale dos Vinhedos, tornando-se a casta emblemática da Almaúnica. Tudo isso motivados pela tendência do consumidor, sempre em busca de novidades. E o Reserva Syrah e o Quatro Castas – que leva Syrah – são os meus vinhos mais premiados.

Você é adepto a passagem de seus vinhos por barrica, fale à respeito.
No meu modo de ver o vinho, acredito muito em duas matérias primas, uva e barrica. A barrica é o pulmão do vinho, aí ocorre toda a micro oxigenação em que aporta taninos e complexidade de aromas para o vinho tanto o branco como os tintos.

Numa safra ruim, de que forma o enólogo consegue extrair o máximo de qualidade e elaborar bons vinhos?
Tomar a decisão de reduzir ou até não elaborar se for o caso. Somente assim poderá garantir uma constância em produtos de qualidade.

O que você acha sobre os vinhos orgânicos e biodinâmicos? É uma tendência?
Todo o mundo do vinho busca usar a mínima intervenção no vinhedo e na vinícola. Creio que orgânicos e biodinâmicos com alta qualidade terão o seu espaço.



A tecnologia faz diferença na produção de vinhos?
Faz e muito. Desde o vinhedo até o engarrafamento. São os pequenos detalhes que refletem no produto final.

No Uruguai temos o Tannat, na Argentina o Malbec, no Chile o Cabernet Sauvignon. Qual a casta tinta que você considera que poderá ser o cartão de visitas do Brasil?
O Brasil é um continente, mas falando em Serra Gaúcha aonde é pioneira e está a maior concentração de vinícolas e vinhedos, a casta tinta é a Merlot.

Qual a sua opinião sobre a posição de alguns produtores brasileiros importarem vinhos de outra nacionalidade e distribuir por aqui? Não é um contra senso?
Cada empresário tem seus objetivos, e buscam ter um portfólio completo de distribuição. Hoje no Brasil 90% do vinho fino é importado, futuramente podemos diminuir esta tendência, com mais qualidade e quantidade e preços competitivos do Vinho Brasileiro.

O enólogo que nasceu para ser vinho!
Por que Argentina e Chile produzem vinhos médios de tão boa qualidade e preço e o que as vinícolas brasileiras podem fazer para alcançarem este patamar?
Tanto Argentina e Chile, possuem relevo, solo e clima com custos menores e tem grande escala de produção, e muito incentivo do governo de subsidiar toda a cadeia. O produtor Brasileiro deve focar muito em pequenas escalas mas com muita qualidade, só assim poderemos no futuro mudar o conceito do Vinho Brasileiro.  



Prato preferido? Capeletoni de Pato com sálvia na manteiga.

Restaurante preferido? Tratoria Primo Camilo

Uma vinícola - fora a que você trabalha - que admira, seja no Brasil ou no mundo?
Viña Montes – Chile

Qual sua uva preferida? Syrah.

Qual o melhor vinho que você já degustou? Um Super Toscano Ornellaia Safra 2007.

Márcio recebeu placa do confrade Homero Agra em homenagem a seu trabalho
no desenvolvimento do vinho brasileiro  
Personalidade admirada na área do vinho?
Adriano Miolo

Deixe uma dica para quem está começando a se interessar em beber vinhos:
Não ter medo de perguntar e tomar muito vinho. Ter humildade e ouvir muito e claro estudar. Só assim poderá usufruir o máximo a bebida dos Deuses.

Como você enxerga a viticultura brasileira daqui a 10 anos e como a Almaúnica estará neste contexto?
A viticultura irá se difundir por várias regiões do Brasil, teremos muitas surpresas boas e assim vamos criando cultura cada vez maior para o brasileiro. E para a Almaúnica um desafio diário na busca da excelência sempre com um foco de qualidade, cuidando os pequenos detalhes, para sermos uma das referências do Vinho Brasileiro.

Confraria do Sagu e o convidado


Cooperativa Vinícola Garibaldi amplia mix e lança espumante para beber com gelo


Leve, refrescante e descomplicada, bebida é ideal para o consumo com gelo e composição de drinks



Fãs de espumantes acabam de ganhar uma nova forma de apreciar a tão saborosa bebida borbulhante: na Expoagas 2019 (maior feira supermercadista em todo o Cone Sul, que ocorre de 20 a 22 de agosto, em Porto Alegre), a Cooperativa Vinícola Garibaldi lança sua linha Ice. O primeiro rótulo que chega ao mercado é o Espumante Garibaldi Ice na variedade Prosecco.
Seu consumo é simples e descomplicado: algumas pedrinhas de gelo no copo e o produto está pronto para beber, trazendo todo seu frescor e leveza. A opção é ideal, também, para compor drinks refrescantes – nas mais ousadas combinações que a criatividade sugerir.
Por essas características, o Espumante Garibaldi Ice combina com momentos descontraídos: é uma ótima pedida para curtir na beira da praia ou piscina, bem como para aqueles que não abrem mão da sofisticação no happy hour ou na balada.

Propriedades especiais para beber com gelo

Diferentemente dos espumantes convencionais, o Ice é uma bebida de acidez mais elevada, de perfil aromático intenso e maior concentração de açúcar. O Espumante Garibaldi Ice é elaborado utilizando um maior percentual de uva Prosecco, porém com uma mescla de vinho Moscato. Essa fórmula permite combinar o frescor do Prosecco à intensidade aromática e doçura do Moscato.
Sua elaboração ocorre pelo Método Charmat. O residual de açúcar da categoria Demi-sec é preservado para agregar frescor e intensidade à bebida final mesmo depois da adição de gelo ou mistura com outros ingredientes nos drinks. A graduação alcoólica é a habitual para um Espumante Demi-sec – porém, como o consumo recomendado prevê a adição de gelo, esse percentual tende a se diluir, proporcionando mais leveza à mistura final.
O Espumante Garibaldi Ice está disponível em garrafas de 750 ml e chega ao mercado gaúcho com preço médio de R$ 33,00. Nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, a partir de R$ 39,00.

Novos consumidores estão na mira

O lançamento do Espumante Garibaldi Ice vem para conquistar espaço junto a um novo perfil de consumidores: a geração dos Millenials, aqueles entre 23 e 36 anos. Sua proposta descomplicada busca estabelecer uma conexão entre a bebida e as situações do dia a dia – festas, celebrações, encontros com amigos, combinando com situações espontâneas, rompendo os protocolos de consumo.
Evidenciando a aposta da Cooperativa Vinícola Garibaldi de consolidar cada vez mais os espumantes como carro-chefe do portfólio, a linha Ice é um dos movimentos que a marca aplica para manter a curva ascendente no desempenho comercial. A venda de espumantes da marca cresceu em torno de 50% no primeiro semestre de 2019, no comparativo com o mesmo período do ano passado, e a expectativa é de que continue em expansão. Até o fim de 2019, a Cooperativa Vinícola Garibaldi deve produzir cerca de 18 milhões de litros, entre espumantes, sucos e vinhos, volume 20% maior que a produção registrada no ano anterior. Neste ano, os espumantes responderão por 20% do volume e 38% do faturamento da marca.

Sobre a Cooperativa Vinícola Garibaldi

A história da Cooperativa Vinícola Garibaldi começou a ser escrita em 1931, pela união de diversas famílias de agricultores como alternativa para vencer as dificuldades econômicas do país na época. Atualmente, são 400 famílias associadas, localizadas em 15 municípios da Serra gaúcha. Seu portfólio tem 70 produtos distribuídos em 12 marcas, entre espumantes, vinhos tintos e brancos, linhas de exportação, frisantes, filtrados, sucos de uva e opções orgânicas e biodinâmicas.


quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Almaúnica Cabernet Franc 2018


Nesta semana tivemos oportunidade de receber como convidado na Confraria do Sagu o enólogo Márcio Brandelli - leia-se Vinícola Almaúnica de Bento Gonçalves. Foram vários os vinhos degustados na noite, praticamente a maior parte do portfólio da vinícola. Logo na recepção foi servido o espumante o Almaúnica Brut Nature que passa 48 meses em autólise, estruturado, seco e volumoso com passagem de 18 meses em barrica de carvalho francês. Em seguida veio o Chardonnay também barricado Parte 2, outro branco potente, dourado e com abacaxi bem marcante em boca. Depois vieram na sequência os vinhos da linha Reserva Pinot Noir, Malbec, Syrah e Merlot e Cabernet Franc. Então os da linha premium 4 Castas (um corte de 4 varietais), Syrah S8 e o ainda não lançado Corte Bordalês que está estagiando em barrica mas que já deu mostras de que será o mais icônico filho desta vinícola.  

Entre tantos bons vinhos degustados o eleito “o vinho da noite” pela confraria com 50% dos votos foi o Almaúnica Cabernet Franc 2018, um vinho de cor rubi violáceo, denso, turvo e brilhante. Advém de vinhedos de Quaraí na campanha gaúcha.  Ao nariz uma explosão de frutas vermelhas e negras com framboesa, cereja, tostado e chocolate pela passagem de 15 meses em barricas francesas de primeiro uso. Em boca um vinho pronto, de ótimo corpo, taninos redondos e polidos, equilibrado e com ampla persistência.    

Harmonizou muito bem com ossobuco e purê de mandioquinha servido.

Possui 14% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura entre 16 e 18oC.

Você encontra os vinhos Almaúnica na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br.

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!