quinta-feira, 23 de maio de 2019

O sanduíche de maçã e presunto!



Na pressa do dia-a-dia chegar em casa e preparar um substancioso sanduíche é revigorante!

A definição clássica de sanduíche diz que ele é uma comida onde vão ingredientes entre dois pedaços de pão elaborada de forma rápida e prática!  Dizem que a sua origem remonta a John Montagu, 4° Conde de Sandwich (como é chamado o lanche em inglês), que viveu na Inglaterra durante o século XVIII. Tal conde era um aristocrata apaixonado por jogos de cartas e que não queria parar nem para ir jantar ou almoçar por isso solicitava que lhe trouxessem um pedaço de carne e queijo no meio de duas fatias de pão. O certo é que este lanche é fácil e deixa a imaginação livre para criar a combinação que o seu feitor quiser com diversidade tanto de pães quanto de recheios. O sanduíche assume muitas denominações diferentes, podendo ser chamado de sandocha, emparedado, sánguche, sangüiche, baguetes, panino, hambúrgueres ou mesmo cachorros-quentes todos considerados variantes do sanduíche original. A seguir a receita do sanduíche de maçã e presunto!



Ingredientes:
(para 4 pessoas)

4 pães tipo francês
1 maçã média ralada
Meia xícara de queijo parmesão ralado
1 xícara de creme de leite
200g de presunto
Meia cebola roxa fatiada
Salsinha fresca
Sal e pimenta a gosto

Preparo:

Misture a maçã ralada e o queijo com o creme de leite. Pique a salsa fresca e junte a mistura. Adicione sal e pimenta.  Retire parte do miolo dos pães para dar espaço para o molho. Espalhe este molho em ambos os lados do pão com uma colher. Depois distribua as fatias de cebola roxa e coloque o presunto no meio. Grelhe o sanduíche por cerca de 1 minuto até que o pão esteja dourado. Polvilhe salsa fresca picada por cima e sirva com salada alguma salada verde.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

APAE promove terceira edição do Vinho & Arte em Santa Cruz do Sul




A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE em parceria com a enóloga Maria Amélia Duarte Flores, realiza no dia 24 de maio - sexta-feira, no Villa Martin, a 3ª edição do Vinho & Arte. 


O evento, que já está consolidado, irá proporcionar uma noite especial com degustação de vinhos e espumantes das vinícolas e importadoras parceiras, além de oferecer uma deliciosa mesa de pães, pastas e frios produzida pela equipe do Hilda G. O Jef’s Studio de Dança também reserva surpresas para essa noite especial. A música estará em evidência com o violinista Luiz Kaufmann e também com o cantor Marcel Knak.  Os convites, ao valor de R$ 120,00 (incluída uma taça de cristal), estão disponíveis com a Diretoria Social e na APAE. Toda a renda obtida com o evento é destinada à manutenção das atividades da Entidade, que atende atualmente 380 pessoas com deficiência intelectual e/ou múltipla. Mais informações pelo fone (51) 3711 3098 ou e-mail comunicacao@apaescs.com.br.

Confirmadas as importadoras Carpe Vinum, Cantu, Porto a Porto e InfoCWB e as vinícolas Webber, Dunamis, Gran Legado, Leone di Venezia, Fabian, Família Bebber, Salvattore e também vinhos do La Campana Wine Bar e Empório.

* Foto: Lucas Martin


terça-feira, 21 de maio de 2019

Marquês de Cáceres Rioja Crianza 2014 - um espanhol de ótima "criação"


Os vinhos tintos espanhóis recebem 4 principais classificações: jovens, crianza, reserva e gran reserva. Os “jovens” pelo pouco tempo de armazenamento os deixa com leveza, frescor e tipicidade da casta sem passar por barrica de carvalho. Já os “crianza” refere-se a “criação” e está relacionada com o tempo de maturação desse vinho e sua disciplina nos processos de produção, com pelo menos dois anos de envelhecimento, dos quais seis meses deverão ser em barris de carvalho (com exceção da Rioja, que exige um ano), e o restante do tempo em garrafas. Os vinhos “reserva” envelhecem por no mínimo três anos, sendo o primeiro deles em barris de carvalho e o restante em garrafas. Estes vinhos são elaborados com safras de qualidade acima da média e, por isso, têm as melhores uvas na sua composição.  Por fim os vinhos espanhóis “gran reserva” tem produção somente em safras de excepcional qualidade. Devem amadurecer por cinco anos, dos quais 18 meses são em barris de carvalho e o restante na própria garrafa que será comercializada.

Um bom exemplar é o Marquês de Cáceres Rioja Crianza 2014 elaborado com 85% Tempranillo, 10% Garnacha e 5% Graciano.

De cor rubi profundo e aromas sedutores carregados de frutas maceradas – cerejas, amoras e framboesas – compota, alcaçuz e baunilha. No paladar uma delícia de vinho, madeira bem assentada na fruta, boca redonda, expressiva, taninos doces e macios, leve tostado e amplo final.

Excelente na companhia de charcutaria com queijos médios e fortes, carnes assadas, carnes de caça com molhos condimentados e paella valenciana.

Possui 13,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos Marques e Cáceres na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 16 de maio de 2019

O rústico de mandioquinha com frango na páprica!



Juntar aroma e sabor ímpares num único prato é o desafio da receita de hoje!

Um dos aromas que mais perfumam a cozinha é o da mandioquinha sendo cozida! Aquele cheiro suave e pleno inebria as narinas e desperta uma ótima sensação prazerosa. A mandioquinha – este tubérculo, também conhecido como batata baroa, batata salsa ou cenoura amarela – é rica em carboidratos e nutrientes e amplamente utilizada na culinária de diversos países. Sua origem remota aos países andinos e atualmente também é produzida nos estados do Sudeste, Centro Oeste e Sul do Brasil. Já a páprica traz um sabor todo especial aos preparos, num misto de picância, defumado, doçura e amargor. Ela é uma especiaria proveniente do pimentão vermelho e há dois tipos, a doce e a picante dependendo do tipo de pimentão que lhe dá vida. A Hungria é o país que mais a consome e o que mais a produz.  Para a saúde é um excelente estimulante para a circulação, reduz e traz benefícios cardiovasculares, possui ação anti-inflamatória e digestiva. Ambos ingredientes são responsáveis pela receita abaixo, que utiliza a denominação “rústico” pelo preparo rápido, básico e direto com que é feito, sendo a mandioquinha servida com casca e o frango preparado na chapa. Confira o rústico de mandioquinha com frango na páprica!


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

1kg de sobrecoxas desossadas
600g de mandioquinha
Suco de 1 limão
Adobo desidratado
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa de azeite de oliva
Páprica picante em pó
Sal e pimenta moída na hora a gosto

Preparo:


Lave bem as mandioquinhas e leve ara cozinhar com casca numa panela com um pouco de sal e uma folha de louro até ficarem macias (cerca de 20 minutos). Enquanto isso prepare as sobrecoxas desossadas. Num recipiente tempere-as com o suco do limão, sal, pimenta, páprica picante e pitadas de adobo. Aqueça uma frigideira com uma colher de sopa de manteiga e uma colher de sopa de azeite de oliva. Disponha de duas em duas unidades as sobrecoxas para fritar por cerca de 3 a 4 minutos cada lado ou até que estejam cozidas. Retire as mandioquinhas, pique-as grosseiramente e dê uma pequena amassada nelas, tempere com sal, azeite de oliva e pimenta preta moída na hora. Disponha nos pratos e sobre cada porção acomode uma sobrecoxa decorando com algum raminho verde. Sirva em seguida!





terça-feira, 14 de maio de 2019

Quinta dos Bons Ventos 2017 Vinho Verde DOC - leve como uma brisa primaveril!


Você já deve ter ouvido falar em vinho verde, quase uma instituição cultural em Portugal! Agora possivelmente você não saiba é que o vinho verde de verde não tem nada! Pode ser branco, rosé ou tinto inclusive. Tal denominação não está ligada a sua cor, mas sim ao local onde o vinho é produzido - região localizada no noroeste de Portugal, situada ao norte entre as margens do Rio Minho indo até o Rio Douro, ao sul. Tal expressão “verde” é apontada por muitos conhecedores do mundo do vinho devido a alta acidez deste vinho. O verde é jovem e está pronto para ser consumido sem ter passado por períodos de maturação nas barricas ou em caves aguardando amadurecer. 

Um exemplar vindo d’além mar é o Quinta dos Bons Ventos 2017 Vinho Verde DOC elaborado com as castas Arinto, Avesso, Loureiro e Trajadura. De coloração amarelo palha quase transparente na taça, traz ao nariz uma boa carga cítrica – abacaxi, pêssego, lima e pera -  também toque floral e mineral. Em boca a citricidade e a mineralidade se repetem somada a acidez média presente. Muito fresco de beber, redondo, fácil de harmonizar ou mesmo para ser bebido sem companhia.  Um vinho simples, direto e como diria um enólogo português amigo meu, “sem frescura”!

Os vinhos verdes harmonizam com frutos do mar, bacalhoadas, risotos de frutos do mar, saladas com folhas verdes e leguminosas, sushi e sashimi.  

Possui 8,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 9 a 11oC.

Você encontra os vinhos Quinta dos Bons Ventos na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

domingo, 12 de maio de 2019

Produza seu próprio vinho, seja um Winemaker Miolo!


A Vinícola Miolo, com sede no Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves, abriu as inscrições para participar do Winemaker Miolo – Vinho Tinto VI, única experiência da América Latina que permite fazer seu próprio vinho com DOVV (Denominação de Origem do Vale dos Vinhedos). 


De agosto de 2019 a junho de 2020 serão quatro encontros com uma programação que inclui teoria e prática, além de almoços e jantares temáticos e harmonizados. O resultado da experiência são 60 garrafas para cada participante com rótulo personalizado, desenvolvido a partir do briefing de cada ‘enólogo amador’. O vinho, da emblemática variedade Merlot, carrega a distinção da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (DOVV). Adriano Miolo conduz todas as etapas com o suporte de uma equipe técnica formada por engenheiros agrônomos e enólogos da marca. 


Em 10 anos, o Winemaker Miolo formou 112 apreciadores – cinco turmas de Vinho Tinto e duas de Espumante. Informações e inscrições podem ser feitas pelo e-mail winemakers@miolo.com.br ou pelos telefones (54) 2102.1500 e (54) 98133.0032, com Thaís Somensi.

sexta-feira, 10 de maio de 2019

O assado da mamãe!



Neste próximo Dia das Mães que tal preparar aquela receita para ela?

Neste domingo das mães poderia eu estar debruçado sobre as letras comentando sobre as delícias gastronômicas que minha a mãe Amanda preparava na minha infância e juventude e resgatando uma de suas receitas que mais me marcaram. Mas a minha mãe nunca foi uma excepcional cozinheira – para doces, sim, afinal, suas origens portuguesas herdadas de sua mãe e avó deram a ela uma bela base - quando o assunto era comida salgada. Até hoje relembramos do seu cachorro quente rio Gangis, um caldo ralo com colorau com algumas fatias de cebola e salsichas picadas boiando. Esta predileção pelos salgados era tarefa do meu pai, simples e sábio no uso dos temperos e pontos de cozimento.

Mas voltando a minha mãe, ela é uma apreciadora de carnes grelhadas, o churrasco está entre seus pratos preferidos, e por isso a receita de hoje é dedicada a esta mulher e por extensão a todas as mães no seu dia, o Vazio Recheado! Confira  



Ingredientes:
(para 2 pessoas, você e sua mãe!)

1 peça de vazio de 1 kg
1 cebola bem picada
Fatias de bacon bem finas
Fatias de queijo
Folhas de espinafre
Pimenta do reino
Sal
Cordão para amarrar

Preparo:

Limpe toda a peça, retirando as gorduras e membranas existentes. Com um batedor de bifes, amacie e estique a peça. Tempere com sal dos dois lados. Espalhe a cebola picada por todo o vazio, e salpique um pouco de pimenta sobre elas. Coloque as fatias de bacon, depois as folhas de espinafre e, por último, o queijo. Comece a enrolar, deixando as pontas sem o recheio, ou a cada volta, empurre o recheio para dentro. Amarre bem e enrole em papel alumínio. Leve a churrasqueira a média altura por cerca de 30 minutos cada lado. Após esse tempo, remova o papel alumínio e volte a churrasqueira cerca de 10 minutos cada lado. Retire o cordão, corte em rodelas e sirva. Aí é só correr para o abraço da mamãe!!!

quinta-feira, 9 de maio de 2019

Robert Mondavi Woodbridge Zinfandel 2014


Outro dia provei o tinto californiano Woodbridge Zinfandel 2014 produzido pela Robert Robert Mondavi Winery, excelente vinícola americana estabelecida no Napa Valley e que carrega consigo os preceitos produtivos do Velho Mundo. Este bom tinto é elaborado com 78% Zinfandel, 11% Petite Sirah, 3,5% Tannat, 3,5% Alicante Bouschet, 2,5% Carignan e 1,5% Barbera, uma verdadeira Torre de Babel vinífera.

Apresenta um lindo visual rubi com reflexos violáceos, denso na taça, com uma explosão de aromas trazendo frutas negras com ameixa e mirtilo em destaque, pimenta, alcaçuz, chá preto e especiarias. Em boca é muito equilibrado, com bastante fruta no paladar, leve tostado e com ótima acidez o que destaca seu potencial gastronômico. Taninos suaves e amplo final de boca.

Estagia por cerca de 6 meses em barricas de carvalho francês.

É um vinho bem versátil na harmonização, indo muito bem com massas de molhos mais potentes, carnes vermelhas preparadas na brasa, forno ou panela,  legumes e queijos médios.

Possui 13,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos Robert Mondavi na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 2 de maio de 2019

A lasanha de cordeiro!



Sabe aquela carne que de cordeiro que sobrou do churrasco ou do assado no forno? Pois é, hoje temos uma deliciosa receita para ela!

A carne de cordeiro – que nós gaúchos comumente chamamos de ovelha – é uma das minhas preferidas! É imbatível na suavidade e sabor, preferencialmente tratando-se de um animal com seus vinte e poucos quilos, o que traz um marmoreio de gordura ainda mais espetacular. O preparo pode ser em várias frentes, sendo a brasa e o forno os meios de cocção mais  práticos desta carne. E a receita de hoje aproveita as sobras, devidamente limpas, sem membranas ou gorduras extras, que levada a um bom molho de tomates, queijos e massas, transforma-se na Lasanha de Cordeiro! Acompanhe



Ingredientes:
(para 4 pessoas)

400g de massa resfriada para lasanha
500g de pernil de cordeiro assado desfiado
4 tomates picadinhos sem sementes
1 cebola picadinha
2 dentes de alho picadinhos
Alecrim
Azeite de oliva
200g de queijo muçarela
100g de queijo provolone
50g de queijo parmesão ralado
Molho shoyu
Orégano
Azeite de oliva extra virgem
Sal e pimenta-do-reino moída à gosto

Preparo:

Prepare o molho de tomate refogando no azeite de oliva a cebola e o alho. Use uma colher de sopa de shoyu e em seguida junte o tomate, tempere com sal e pimenta.  Deixe cozinhar e adicione a carne desfiada e o alecrim à gosto. Cozinhe por cerca de 20 minutos, corrija o tempere, desligue e reserve. Unte um refratário com azeite de oliva e um pouco do caldo do molho. Disponha uma massa da lasanha e por cima uma concha do cozido bem espalhado. Depois outra massa, uma concha do molho e o queijo provolone. Outra massa e assim por diante até finalizar com o queijo muçarela, o parmesão e o parmesão ralado. Levar ao forno pré-aquecido a 200oC por cerca de 25 a 30 minutos. Servir!

Vinhos brasileiros são premiados na França!



Os vinhos e espumantes brasileiros acabam de conquistar mais 15 prêmios na França. Esta é a terceira distinção do ano no país do Champanhe, somando 30 medalhas em três concursos realizados neste país entre março e abril. Desta vez foi o Challenge International di Vin, que ocorreu nos dias 12 e 13 de abril em Burdeos. O concurso reuniu mais de 5 mil amostras de 37 países, reunindo cerca de 700 profissionais, no mais antigo concurso internacional de vinhos do mundo, além de ser uma das maiores competições do gênero organizada na França. O evento tem certificação ISO 9001. 


Destaque para a Medalha de Ouro atribuída aos vinhos: 

Armando Teroldego 2016 –Vinícola Peterlongo; 

Aurora Reserva Merlot 2017 - Cooperativa Vinícola Aurora; 

Braziliam Soul Premium Selections Tannat 2017 - Cooperativa Vinícola Aurora; 

Garibaldi Espumante Moscatel – Cooperativa Vinícola Garibaldi; 

Garibaldi Espumante Moscatel Rosé - Cooperativa Vinícola Garibaldi; 

Jolimont Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2008 - Vitivinícola Jolimont; 

Jolimont Pinot Noir 2015 - Vitivinícola Jolimont; 

Ponto Nero Live Celebration Glera – Domno do Brasil 

Zanotto Cabernet Sauvignon – 2016 – Vinícola Campestre.



quarta-feira, 1 de maio de 2019

Las Runas Carmenére Reserva 2015


O Las Runas Carmenére Reserva 2015 produzido no Vale de Casablanca no Chile é mais um dos bons vinhos produzidos por esta uva redescoberta na década de 90 naquele país. A Vinícola La Recova que o produz quase artesanalmente, possui apenas 5 hectares de vinhedos dedicados a esta cepa! Este tinto possui uma bela coloração púrpura brilhante e convidativa com aquela explosão de aromas típicas da casta, com muita negra destacando amoras, cerejas e mirtilos, toque herbáceo com mentol e cedro, tostado e coco, além de alguma especiaria. No paladar é potente, pleno, com taninos redondos e gordos, bem equilibrado na acidez, álcool e fruta e com amplo final. 80% do vinho repousa em barricas de carvalho francês por cerca de 10 meses. Anexa ao rótulo há uma runa de pedra escondida, o qual quando descoberta deve-se procurar no site da vinícola o seu significado, quase sempre surpreendente!

Vai muito bem com diversas massas com molhos mais potentes, carnes vermelhas na panela ou no forno, queijos Brie e Camembert e charcutaria suína!

Possui 14% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos Las Runas na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 25 de abril de 2019

A salada caprese!



Nada melhor que um prato cheio de história para contar!

A Itália pode tranquilamente requisitar para si o título de berço gastronômico mundial afinal pelas tantas contribuições que trouxe para a cozinha mundial. Estar na Itália é comer bem e saudável, preparar as receitas que lá nasceram é aventurar-se por um delicioso caminho culinário. E é de lá, da ilha de Capri, margeada pelo Golfo de Nápolis, que surgiu o nome Caprese. Capri exercita diariamente este hábito de receitas familiares elaboradas com muitos ingredientes saudáveis, como tomates, muçarela de búfala, manjericão fresco e azeite de oliva de ótima qualidade. E esta Salada Caprese de tão italiana que é, carrega consigo inclusive as cores da bandeira da Itália! Confira a receita:


Ingredientes:

200g de muçarela de búfala
2 tomates médios bem maduros
Folhas de manjericão basílico
Azeite de oliva extra-virgem
Sal à gosto
Pimenta-do-reino moída

Preparo:

Cortar as “bolas” de muçarela de búfala em fatias de cerca de meio centímetro de espessura, assim como os tomates. Separar as melhores e maiores folhas de manjericão e que sejam em mesmo número que as fatias de tomate. Cuidado para não lavar o manjericão, pois o ideal é passar um pincel de cozinha ou então um algodão para tirar as impurezas. A montagem é fácil: em um prato ir colocando uma fatia de tomate, depois uma de muçarela, por fim o manjericão e iniciar o processo novamente, formando uma bela e colorida sobreposição. Temperar com sal, pimenta e regar com o azeite de oliva. Servir em seguida.  



Você sabia?

Como tudo na Europa a historia valoriza as pessoas, os lugares, os contextos e as criações culinárias. No caso da Salada Caprese, pelo menos três histórias foram encontradas sobre a sua invenção na Ilha de Capri. A primeira é que a salada já era feita na ilha e que, um certo dia, foi servida ao rei Farouk do Egito. O rei, que estava em visita e não conhecia o prato, teria dado o nome de Caprese. A partir de então, a salada teria ficado popular – pela boca do rei. Outra possível origem para a Salada Caprese é a de um construtor de Capri, que havia criado a salada por gostar muito de comida com as cores da bandeira do país. A terceira história sobre a origem da Caprese é a única que tem registro histórico. Em 1924, a salada era parte de um menu de um hotel em Capri, assinado por um chef famoso na época. O mais provável é que já era uma salada de consumo dos habitantes da ilha antes de compor o menu do hotel, já que sempre existiram os ingredientes. Mas o menu assinado pelo chef é que deu notoriedade à salada.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Miolo Millésime Brut Rosé 2017 é lançado


Lançamento chega com nova roupagem da linha de espumantes, safrado e com DOVV

Conheci o MMBR2017 pelas mãos do enólogo e CEO da Miolo, Adriano Miolo, num evento na capital gaúcha. Na ocasião, além dos rótulos da linha Single Vineyard, também estev na degustação este belo espumante. 


Premiado antes mesmo de ser lançado, o Miolo Millésime Brut Rosé 2017, com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (DOVV), chega para completar a linha de mais alto nível de espumantes da Vinícola Miolo. Ao lado do Miolo Millésime Brut, a versão rosé forma a dupla mais sofisticada e de luxo da marca. São apenas 7 mil garrafas.

Elaborado pelo método tradicional (fermentação na garrafa), com 18 meses de autólise, o Miolo Millésime Brut Rosé 2017 é resultado da vinificação de 100% de uvas tintas da variedade Pinot Noir, cultivadas em vinhedos próprios no Vale dos Vinhedos. Justamente por isso e por passar por rigorosas análises físico-químicas e sensoriais, é que o produto estreia com DOVV, que expressa o terroir da única região com Denominação de Origem de vinhos do Brasil. O espumante somente será lançado em safras excepcionais.

A nova roupagem da linha, agora mais imponente, chega para impactar o consumidor que busca uma experiência única. Para lançar o produto, a campanha ‘Ser um ícone é questão de estilo e conteúdo’, ganha espaços em delicatessens, restaurantes e na loja virtual da marca, além do varejo da Miolo.

O espumante ícone do Brasil é a segunda novidade do ano da Vinícola Miolo, numa série comemorativa aos 30 anos da marca, que até outubro estará colocando no mercado um total de 19 rótulos entre lançamentos e novas safras. Além de Vinho Revelação, o Miolo Millésime Brut Rosé 2017 é destaque no Guia Descorchados 2019 entre os Melhores Espumantes Brut, Melhores Espumantes Rosados e Melhores do Vale dos Vinhedos.






terça-feira, 23 de abril de 2019

La Puerta Bonarda Reserva 2015 - pleno nos aromas!


A entrega de vinhos finos elaborados 100% com a uva Bonarda a cada ano tem sido mais promissora! O La Puerta Bonarda Reserva 2015 lá do Valle de Famatina na Argentina é um destes vinhos que tem todos os predicativos para atender ao gosto do consumidor brasileiro, com bastante fruta e boca de taninos suaves.

Possui coloração púrpura profundo e lágrimas preguiçosas. Nariz com explosão de aromas trazendo muita fruta negra (amoras, ameixas, mirtilos, cassis) e flores com violetas e hibiscos em destaque depois baunilha, caramelo e café oriundos pela passagem de 30% do vinho por 6 meses em barris de carvalho francês e americano.  Em boca repete a fruta negra macerada e apresenta taninos maduros e macios, cômodos e fáceis de degustar. Leve dolçur, amêndoas e caramelo no retrogosto de grande final.

Acompanha carnes grelhadas com molhos agridoces, carne suína, legumes e cogumelos salteados.

Possui 14% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos La Puerta na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 18 de abril de 2019

O filé de peixe empanado!



Nesta sexta-feira uma receita especial!

Um dos métodos de preparo mais eficientes para peixes em posta ou pedaços de filé é o empanado. Tal procedimento isola a carne e deixa-a suculenta mas com a crosta empanada bem crocante e saborosa. E no tempero para não mascarar as características do peixe, apenas a companhia do limão e molho tártaro. Vamos a receita!


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

4 filés grossos de peixe branco
Meia xícara de farinha de trigo
Uma xícara e meia de farinha de rosca
Um ovo batido
Sal e pimenta preta moída na hora
3 colheres de sopa de óleo de girassol
Molho tártaro para servir

Preparo:

Seque bem os filés de peixe com papel toalha e tempere com sal e pimenta. Distribua a farinha de trigo, o ovo e a farinha de rosca em três pratos separados. Individualmente e de um lado apenas afunde o filé na farinha de trigo, depois no ovo e depois na farinha de rosca pressionando firmemente até que uma espessa camada de farinha esteja aderida. Aqueça o óleo em uma frigideira grande antiaderente em fogo médio. Adicione os pedaços de peixe, empanados e sele o lado da farinha até dourar por cerca de 5 minutos. Vire-os e leve-os a um refratário e coloque no forno pré-aquecido a 200oC por cerca de 5 a 8 minutos. Sirva imediatamente acompanhado do molho tártaro.

Você sabia?

Feito a base de maionese, o molho tártaro acompanha com excelência peixes e carnes, sejam eles grelhados ou fritos. A receita de molho tártaro é bem simples e rápida de fazer. A utilização do molho tártaro se popularizou no século XIII, quando os cavaleiros tártaros criaram o hambúrguer e o molho tártaro, sendo sua receita aprimorada com o tempo e adequada a cada região. Uma receita para este molho leva 1 colher (chá) de cebola ralada, 2 colheres(chá) de picles picados (cenoura e pepino), 1 colher (sopa) de azeitonas verdes picadas, 1/2 colher(sopa) de alcaparras picadas, 1 colher(sopa) salsa e cebolinha picadas, 3/4 de xícara(chá) de maionese, 1 colher (chá) de limão ou vinagre(opcional) e 1 colher(chá) de mostarda, misturando todos os ingredientes.



quarta-feira, 17 de abril de 2019

Vinho brasileiro conquista 40 prêmios em Portugal


Ora, pois, pois! Foi no International Awards Virtus que os vinhos brasileiros romperam a barreira dos 40 prêmios somente este ano. Realizado em Lisboa, de 23 a 25 de março, o concurso conferiu 13 medalhas aos rótulos verde amarelos. As 462 amostras, entre vinhos, destilados e azeites foram degustadas por 40 degustadores de sete países. O júri teve a oportunidade de degustar produtos provenientes da Alemanha, Brasil, Chile, China, Espanha, França, Itália, Portugal e Uruguai. O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Gilberto Simonaggio, e a presidente da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), Regina Vanderlinde, estiveram presentes no evento. Para Simonaggio, o Brasil surpreendeu os degustadores. "O Brasil teve uma performance muito boa em todas as categorias, principalmente nos espumantes. Como presidente do júri, tive a oportunidade de mediar as avaliações de diversos profissionais do mundo do vinho, uma experiência enriquecedora".


Gilberto Simonaggio e Regina Vanderlinde

O enólogo comenta, ainda, que outro diferencial do concurso foi a degustação informatizada, que permitiu agilizare dar mais confiabilidade na obtenção dos resultados, além da seleção dos profissionais para avaliação das diferentes categorias de vinhos, destilados e azeites apresentados no concurso. Este concurso contou  com a patronagem da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) e para as próximas edições, vai continuar explorando as demais regiões vitivinícolas de Portugal, buscando fortalecimento do evento.

PREMIAÇÕES

Grande Medalha de Ouro
Ponto Nero Live Celebration Brut Rosé – Domno do Brasil

Medalha de Ouro
Aurora Espumante Brut – Cooperativa Vinícola Aurora
Casa Valduga 130 Blanc de Noir – Casa Valduga Vinhos Finos
Garibaldi Espumante Prosecco – Cooperativa Vinícola Garibaldi
Miolo Single Vineyard Touriga Nacional 2017 – Miolo Wine Group
Ponto Nero Espumante Cult Brut Rosé – Domno do Brasil

Medalha de Prata
Aurora Reserva Chardonnay – Cooperativa Vinícola Aurora
Casa Valduga 130 Espumante Brut – Casa Valduga Vinhos Finos
Garibaldi Espumante Chardonnay – Cooperativa Vinícola Garibaldi
Zanotto Cabernet Sauvingon – Vinícola Campestre
Zanotto Chardonnay – Vinícola Campestre
Zanotto Merlot – Vinícola Campestre
Zanotto Rosé Merlot – Vinícola Campestre




terça-feira, 16 de abril de 2019

Ponto Nero Enjoy Sauvignon Blanc - que frescor!


Gosto muito da Sauvignon Blanc, seu frescor e toda aquela acidez que desengordura o palato para a próxima garfada. Os exemplares produzidos mundo afora de espalham e trazem a cada rótulo gratas surpresas. Uma destas nos aprontou a Valduga, proprietária da Domno do Brasil, envasadora da linha Ponto Nero, com seu espumante brut Enjoy Sauvignon Blanc, elaborado 100% com esta casta. 

O visual da garrafa é belíssimo e descolado. Possui cor palha bem claro, límpido e brilhante. Perlage fino e constante com coroa branca e volumosa. Aromas de muita citricidade lembrando maracujá, limão siciliano, lima, pera, maçã verde, flor de laranjeira e mineral.
Em boca é seco, cítrico, muito vivo e fresco, possui ótima acidez, com final amplo e persistente. A fruta retorna equilibrando o conjunto e deixando um agradável retrogosto de final marcante e fino. 
Faz ótimo par com saladas, frutos do mar refogados no oliva, comida japonesa e queijos leves.

Possui 12,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 4 a 6oC.

Você encontra os espumantes Ponto Nero na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

terça-feira, 9 de abril de 2019

Jantar Harmonizado Wein Haus


No próximo dia 11 de abril às 20h, a Wein Haus estará realizando mais uma edição de seu Jantar Harmonizado regado a bons vinhos e espumantes. A apresentação ficará com a sommelière da casa, Marinês Hackenhaar, e a cozinha sob comando da equipe do Garni Foods.

O cardápio contará com um couvert de pães e pastas com espumante rosé; a entrada será um mix de folhas verdes com grãos e frutas secas ao molho de damasco com vinho Sauvignon Blanc; o primeiro prato um risoto de cogumelos frescos e crispys de cebola roxa com vinho italiano e português; o prato principal tornedor de filé grelhado e espaguete ao molho gorgonzola com vinho Malbec e Tannat e por fim de sobremesa um duo de peras ao vinho com creme azedo.  Os convites já estão à venda na loja pelo valor de R$ 120,00. As vagas são limitadas! Garanta seu ingresso! 


Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 51.3711-3665 e e-mail weinhaus@weinhaus.com.br

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Sorvete com calda de Cabernet Sauvignon, pimenta e frutas vermelhas



Se você pensou numa combinação gostosa, confira só esta sobremesa!

A sobremesa definitivamente é o gran finale de um jantar! Sua função é tratar o palato com um toque de doçura para atenuar o gosto dos pratos servidos e trazer aquela sensação de conforto e bem estar! E a sobremesa desta semana leva em sua feitura um toque de vinho tinto Cabernet Sauvignon arrematando ainda um último gole da taça com a picância da pimenta vermelha. A seguir o Sorvete com calda de Cabernet Sauvignon, pimenta e frutas vermelhas.



Ingredientes:

Sorvete de baunilha
Meia garrafa de Cabernet Sauvignon
6 colheres de sopa de açúcar granulado
1 colher de chá de essência de baunilha
1 colher de sopa de amido de milho
Pitadas de pimenta líquida
1 xícara de frutas vermelhas frescas (morango, amora, mirtilo, cereja)

Preparo:

Misture metade do vinho ao amido de milho e reserve. Coloque o vinho restante com todos os outros ingredientes numa vasilha para ferver. Bata o vinho e o amido de milho e adicione lentamente ao líquido fervente, mexendo sempre. Reserve. Coloque as frutas em uma frigideira pequena aquecida por cerca de um minuto. Junte o molho de Cabernet e pimenta e deixe cozinhar até ferver. Coloque o molho ainda quente em taças e acrescente o sorvete de baunilha. Sirva.

    

terça-feira, 2 de abril de 2019

Casa Valduga Origem Cabernet Sauvignon Chile 2017


A Famiglia Valduga (leia-se vinhos e espumantes entre outros produtos) de Bento Gonçalves possui parcerias estendidas por diversos países vitivinícolas seja pela sua importadora quanto pelas parcerias produtivas iniciada com a Linha Mundus há alguns anos atrás. Agora novamente estica seu portfólio e elabora na região do Valle Central no Chile um tinto de bom custo-benefício, o Casa Valduga Origem Cabernet Sauvignon Chile 2017. 

De cor rubi violáceo profundo este CS trouxe o tradicional e bem destacado aroma de pimentão verde, azeitonas, cipreste, mentol, pimenta e em segundo plano cereja, framboesa, toque mineral e salgado.  Paladar com fruta macerada e tostado, taninos redondos, açúcar residual aparece mas não incomoda, média persistência, taninos macios.
Vai bem com carnes vermelhas, massas variadas, queijos médios e alguns risotos. Seu toque herbáceo fecha bem com pesto. 

Possui 13% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 14 a 16oC.

Você encontra os vinhos da Valduga na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

quinta-feira, 28 de março de 2019

A pasta al limone!


A Itália e suas preciosidades gastronômicas! Hoje temos mais uma...

Pode ser na companhia de qualquer tipo de massa (pasta em italiano), preferencialmente se for talharim, espaguete ou penne, que o molho branco e cítrico fica uma delícia. Refrescante, fácil de preparar e ótima se acompanhada de espumante brut, a Pasta al Limone traduz mais uma vez o acerto da culinária italiana embasada na mistura de ingredientes saudáveis e frescos! Confira.


Ingredientes
(para 4 pessoas)

500g de massa
50g de manteiga
2 colheres de sopa de sálvia fresca picada
1 dente de alho esmagado
Uma xícara de caldo de legumes
Uma xícara e meia de creme de leite
2 colheres de sopa de suco de limão fresco
1 xícara de queijo ricota
Sal e pimenta moída na hora a gosto
Queijo parmesão ralado na hora a gosto
Meia xícara de manjericão fresco picadinho

Preparo:

Em uma frigideira grande, misture a manteiga e a sálvia e deixe refogar. Adicione o alho e refogue por cerca de 1 minuto. Aos poucos, despeje no caldo de legumes, o creme de leite e o suco de limão e cozinhe por cerca de 2 minutos mexendo de vez em quando. Adicione o queijo ricota. Tempere. Retire do fogo e reserve. Cozinhe a massa numa panela grande com água fervente com sal de acordo com o tempo da embalagem. Escorra e adicione o macarrão ao molho na panela e depois sirva salpicado com queijo parmesão e manjericão.
     

terça-feira, 26 de março de 2019

Corbelli Motepulciano D’Abruzzo 2016 - pede companhia!


O italiano da região da Sicilia Corbelli Motepulciano D’Abruzzo 2016 elaborado pela família Castellani é o vinho comentado desta semana. Montepulciano d’Abruzzo é um vinho tradicional já mencionado pelos romanos lá na antiguidade oriundo das montanhas da região do Abruzzo que se estendem até o Mar Adriático. Cor rubi escura com nuances granada, traz ao nariz aromas florais – lavanda, violetas e rosas  - e frutados maduros com destaque para ameixa, framboesas e lichia, além de banana passa, tâmaras e couro. Boca seca, acidez marcante que pede companhia de comida, taninos redondos e equilíbrio no conjunto proposto.

Harmoniza bem na companhia de carnes vermelhas na brasa ou chapa, cozidos de carne, massa à bolonhesa e alguns queijos como gruyère, provolone e parmesão.

Possui 12% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 16 a 18oC.

Você encontra os vinhos Corbelli na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!