quarta-feira, 16 de agosto de 2017

La Puerta Bonarda Reserva 2015 - elaborado com a segunda variedade mais cultivada na Argentina!

A uva da variedade Bonarda é uma das mais plantadas na Argentina, praticamente na mesma escala da Malbec. Sempre foi muito usada na elaboração de vinhos baratos, depois começou a aparecer na composição de blends junto a outras castas e de alguns anos para cá em carreira solo, dando origem a muito bons vinhos repletos de frescor, fruta, suavidade e taninos agradáveis. Um dos exemplares desta uva que temos acesso é o La Puerta Bonarda Reserva 2015, da região de La Rioja, de coloração vermelho escuro e com reflexos violetas e com explosão de aromas frutados com muita aromas, ameixas e mirtilos maduros, quase me compota. Em boca traz uma precisão de acidez que acomoda muito bem a fruta e os traços de madeira, pedindo uma nova taça. Médio corpo, ampla persistência e suavidade tânica fecham a análise.

30% do vinho repousa por 6 meses em barricas de carvalho francês e americano.

Faz par com carne bovina e suína na grelha, massas com molhos condimentados e algumas carnes de caça.

Possui 14% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura entre 15 a 18oC.  

Você encontra os vinhos La Puerta na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br


E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!      

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Cachaça é do Brasil e Tequila é do México – Governo assina acordo que protege a propriedade das bebidas


A cachaça e a tequila agora terão proteção plena de propriedade e qualidade na comercialização nos dois países


Ligadas diretamente às culturas do Brasil e do México, a cachaça e a tequila agora terão proteção plena de propriedade e qualidade na comercialização nos dois países. Acordo assinado pelo presidente Michel Temer reconhece as duas bebidas como indicações geográficas e produtos distintivos dos dois países. O acordo estabelece que toda bebida vendida no Brasil com o nome de tequila será de fabricação mexicana, assim como toda cachaça vendida no mercado mexicano deverá ter sido fabricada no Brasil.

Desde 2015, Brasil e México fazem tratativas sobre a proteção recíproca da cachaça e da tequila na relação bilateral. Com a assinatura do acordo, a qualidade e a procedência das bebidas nos dois países serão atestadas conforme procedimentos tradicionais e passarão a ser controlados e supervisionados pelas autoridades competentes de cada país.

As tratativas estavam em andamento há alguns anos, mas a partir de junho de 2014 o processo recebeu atenção do governo, a partir da renovação de um convênio firmado entre o IBRAC (Instituto Brasileiro da Cachaça) e o Conselho Regulador de Tequila (Crt).

Segundo o IBRAC, as exportações de cachaça não passam de 1% do volume produzido e isto deve estimular o setor a aumentar os investimentos no mercado mexicano. Além disso, o acordo também deve impedir o uso da denominação "cachaça" por produtores de outros países.
Em 2015, o México exportou mais de 180 milhões de litros para mais de 120 países, enquanto o Brasil exportou pouco mais de sete milhões de litros do destilado para 61 países. Deste total, apenas 0,54% do total exportado foi para o México, de acordo com o IBRAC. Para o presidente da Confraria Paulista da Cachaça, Alexandre Bertin, o governo está buscando alternativas para ajudar a área econômica e as exportações de Cachaça têm muito potencial. “É uma atitude acertada. Esse acordo ajudará os produtores a atingirem outros mercados e a gerar resultados positivos para a cadeia como um todo”.    

Mercado da Cachaça  

O faturamento do setor cachaceiro alcançou R$5,95 bilhões em 2013, quando foram produzidos 511,54 milhões de litros da bebida, de acordo com o Sistema de Controle da Produção de Bebidas da Receita Federal – SICOBE, responsável por controlar a produção das principais empresas formais do setor. De acordo com o Instituto Brasileiro da Cachaça – IBRAC, são 40 mil produtores e 4 mil marcas de cachaça no mercado nacional alocadas, principalmente, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Minas Gerais e Paraíba. O IBRAC estima que a capacidade instalada no Brasil é de 1,2 bilhões de litros/ano. A Cachaça é a segunda bebida mais consumida no país, perdendo somente para a cerveja, que é uma bebida fermentada. Entre as bebidas destiladas, detém preferência absoluta entre os brasileiros.

Seu consumo é quase 5 vezes maior que o do whisky (348 milhões de litros) e da vodca (270 milhões de litros). O Brasil possui capacidade instalada de produção de 1,2 bilhão de litros anuais, sendo 70% cachaça industrial e 30% cachaça artesanal (alambique). Atualmente, são mais de 40 mil produtores (5 mil marcas), sendo que as micro-empresas representam 99% deste universo. Um case de sucesso do mercado da bebida é a Cachaça Seleta, que conquistou a liderança no mercado mundial de Cachaças artesanais pelo gosto forte e persistente. É armazenada em tonéis de Amburana e conta com processo de fermentação natural, sendo o fermento a base de fubá de milho.

“Com tantas opções de qualidade, os consumidores terão cada vez mais a possibilidade de melhores experiências sensoriais com a Cachaça, já que poderão comprar mais rótulos e descobrir a riqueza dos sabores”, declara Rafael Araujo, Co-Founder da Cachaçaria Nacional. A empresa é a maior loja de Cachaças Online do mundo e oferece mais de 1000 rótulos de Cachaças artesanais de alambiques das principais regiões produtoras do Brasil, além de acessórios para degustação, barris/dornas e linha gourmet. Outros dados importantes são sobre o aumento das exportações da bebida em 2016. Segundo informações divulgadas pelo IBRAC, as exportações de Cachaça cresceram 4,62% em valor e 7,87% em volume, totalizando US$ 13,93 milhões e 8,3 milhões de litros. Mais de 60 países já consomem o “ouro líquido brasileiro”, especialmente Alemanha, EUA e Paraguai.




quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O carpaccio de cordeiro!


O Carpaccio é um dos antepastos mais famosos do mundo! Sua origem italiana traz toda uma história às finas lâminas de carne crua temperadas com poucos ingredientes repletos de sabor, entre os quais lâminas de queijo e azeite de oliva. Foi criado na década de 50 por Giuseppe Cipriani, dono do Harry’s Bar em Veneza. O Carpaccio original leva carne bovina, e o nome é uma homenagem a Vittore Carpaccio, famoso pintor renascentista que usava a cor vermelha em suas pinturas, lembrando a carne crua. Chegou ao Brasil na década de 70, trazido por Massimo Ferrari a seu restaurante em São Paulo. Hoje a receita é desta iguaria preparada com um carne muito nobre, acompanhe o Carpaccio de Cordeiro!  
  


Ingredientes:

1 lombo de cordeiro com cerca de 500g
Azeite de oliva à gosto
Sal e pimenta-do-reino a gosto

Para o molho:

3 colheres de sopa de mostarda tipo Dijon
3 colheres de sopa de azeite de oliva
1 colher de sopa de mel
2 colheres de sopa de água
2 colheres de sopa de alcaparras bem picadas
Queijo peccorino ralado a gosto
Sal e pimenta preta moída à gosto
Brotos de beterraba para decorar

Preparo:


Tempere o lombo com sal e pimenta-do-reino a gosto. Enrole o lombo em filme-plástico e coloque no congelador por 1 hora. Retire do congelador e fatie a carne em fatias bem finas – quase transparentes – com cerca de 2 mm.  Para o molho: coloque todos os ingredientes – exceto o queijo parmesão – num pote de vidro com tampa, feche e agite muito bem. Sirva as fatias e tempere com o molho, finalize com o queijo ralado e decore com os brotos de vegetais. 

Você encontra carne de cordeiro além de cortes bovinos das raças Angus e Hereford na Best Beef Boutique, na Rua Marechal Deodoro 05, fone 51.3902-0630, em Santa Cruz do Sul. Confira! 

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Los Cardos Red Wine Blend 2016 - um corte de excelente custo-benefício!

Dizem que um vinho blend – ou seja, aquele elaborado com a mistura de castas ou safras – mostra o espírito do enólogo lá na busca por oferecer algo diferente aos amantes de vinhos. O argentino Los Cardos Red Wine Blend 2016, linha de entrada da Bodega Dona Paula, é um destes vinhos absolutamente confortáveis de beber e com um belo custo-benefício. Leva partes de Malbec, Cabernet Sauvignon, Syrah e Tannat.  

Possui cor rubi com reflexos violáceos e pronuncia aromas com frutas frescas - cereja, framboesa e amoras - e toque herbáceo, terra molhada, mentol, citronela, toques florais e pimenta preta. Em boca é refrescante, corpo médio, com paladar levemente salgado, mineral, ótima acidez e com fruta destacada. Seus taninos são redondos e com personalidade.

Possui 13,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura entre 16 e 18oC.

Combina com carnes grelhadas, massas com molho de queijo, legumes na brasa, queijos médios e embutidos.

Você encontra os vinhos Dona Paula na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br


E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!      

domingo, 6 de agosto de 2017

Jantar harmonizado Wein Haus

Na próxima quinta-feira, 10 de agosto, ocorrerá mais uma edição do Jantar Harmonizado da Confraria Weinhaus, no espaço gourmet da loja especializada em vinhos de Santa Cruz do Sul. Os vinhos degustados serão apresentados pelos sommeliers da Importadora Decanter servindo os rótulos Terranoble Pinot Noir, J Lohr Zinfandel, Luis Cañas Crianza, Celler L’Encastell Marge, Colomé Malbec e Luigi Bosca Gala 4. Será servido de entrada pães com patês e bruschettas, filé mignon grelhado ao molho funghi e legumes e petit gateau com sorvete de creme. Faça já sua reserva pelo fone 51.3711.3665.


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

As coxas de frango com mel!



A carne de frango se transforma neste preparo com sabores quase exóticos!

Uma coisa é certa: a carne e frango ocupa hoje a posição de mais barata entre todas as opções no Brasil. E já faz um bom tempo que é assim. Com a presença mais intensa desta variedade à mesa, temos que ser criativos no preparo e não correr o risco de cairmos na mesmice. E a receita de hoje leva uma boa dose de temperos o que deixa a coxa de frango comum sabor inigualável. Acompanhe a receita das Coxas de Frango com Mel.


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

12 coxas de frango
Meia xícara de mel
Meia xícara de molho de soja
Um quarto de xícara de suco de laranja
2 colheres de sopa de mostarda tipo Dijon
2 dentes de alho finamente picados
1 colher de sopa de gengibre ralado
Sementes de gergelim e cebolinha para enfeitar
Sal e pimenta preta moída a gosto

Preparo:

Em uma tigela pequena, misture todos os ingredientes para fazer a marinada: mel, molho de soja, suco de laranja, mostarda, alho e gengibre. Misture bem. Reserve um terço da marinada num pote e leve a geladeira. Coloque as coxas de frango num saco e despeje a marinada sobre elas. Leve a geladeira por cerca de 2 horas. Aqueça o forno a 200oC. Disponha as coxas numa assadeira e despeje a marinada sobre eles, tempere com sal e pimenta.  Asse por cerca e 30 minutos, vire as coxas e asse por mais 20 a 25 minutos.  Enquanto o frango está no forno, despeje a marinada que estava na geladeira em uma panela pequena, tempere se precisar e leve a ferver, deixe reduzir até engrossar, tipo – cerca de 7 a 10 minutos no fogo.  Retire o frango do forno, derrame sobre ele o molho, decore com sementes de gergelim e cebolinha e sirva.


terça-feira, 1 de agosto de 2017

Bonacchi Chianti Gentilesco - fresco e delicioso toscano!

Chianti não é nome de uma uva, mas sim de uma região da Itália, que possui denominação de origem controlada e fica localizada entre as cidades de Florença e Siena, na Toscana. Os Chianti levam um blend de uvas onde o maior percentual é da casta Sangiovese. 

O Bonacchi Chianti Gentilesco DOCG 2015, italiano da Toscana, com vinhedos localizados nas colinas de Montalbano, elaborado com Sangiovese (85%), Canaiolo e Malvasia del Chianti (15%) é um destes bom representantes. 

De cor rubi brilhante pronuncia aromas inicialmente mais tímidos mas depois com palheta expressiva de frutas frescas - morango, cereja, groselha e azedinha silvestre. Boca seca e potente, bom corpo e com taninos redondos. Paladar com fruta vermelha e negra macerada destacando cereja, framboesa, também tabaco com forte puxada na língua que traz salivação abundante que pede companhia de comida na mesa. Acidez muito cômoda.

Possui 12,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser degustado na temperatura entre 16 e 18oC.

O vinho não passa por carvalho novo mantendo assim o frescor.

Harmoniza com pizzas de queijo, calabresa, massas, tábua de queijos e presuntos, carnes grelhadas na brasa.

Você encontra os vinhos italianos na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711.3665 e site www.weinhaus.com.br


E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!